Friday, 14 December 2007

What TV does to kids

The most important thing we've learned,
So far as children are concerned,
Is never, NEVER, NEVER, let
Them near your television set
- Or better still, just don't install
The idiotic thing at all.
In almost every house we've been,
We've watched them gaping at the screen.
They loll and slop and lounge about,
And stare until their eyes pop out..
(Last week in someone's place we saw
A dozen eyeballs on the floor.)
They sit and stare and stare and sit
Until they're hypnotized by it,
Until they're absolutely drunk
With all that shocking ghastly junk.
Oh yes, we know it keeps them still,
They don't climb out the window sill,
They never fight or kick or punch,
They leave you free to cook the lunch
And wash the dishes in the sink
- But did you ever stop to think,
To wonder just exactly what
This does to your beloved tot?

IT ROTS THE SENSES IN HIS HEAD!
IT KILLS THE IMAGINATION STONE DEAD!
IT CLOGS AND CLUTTERS UP THE MIND!
IT MAKES A CHILD SO DULL AND BLIND.
HE CAN NO LONGER UNDERSTAND
A FANTASY, A FAIRYLAND!
HIS BRAIN BECOMES AS SOFT AS CHEESE!
HIS POWERS OF THINKING RUST AND FREEZE!
HE CANNOT THINK - HE ONLY SEES!

by Roald Dahl, 1964
found in Martin Large's "Set Free Childhood", typed up by Zareen :)

My realtion to Essex University

Sometimes I think Essex University is Hades, somteimes I think I'm on mount Olymp.
Probably I'm schizophrenic.
Or maybe it's only about doing PhD.

Precious advice

"Glaser (especially 1978) ... He recommends reading widely while avoiding the literature most closely related to what you are researching."

"What you do is probably less important than how well you justify it."

Found in http://www.scu.edu.au/schools/gcm/ar/arp/grounded.html#a_gt_intro

Thursday, 13 December 2007

Economy at the study desk

"...selbst mit den unerfreulichsten Kategorien der Nationalökonomie hantiert sichs am Studiertisch ganz erträglich."

"...even the most unpleasant categories of the National Economy are quite bearable to handle on the study desk."

K. Siegismund

Wednesday, 12 December 2007

As pessoas e a economia

Esta tabela compara a economia de mercado, a economia planificada socialista e a economia associativa em termos de visão do ser humano, lógica do funcionamento e consequências (clica sobre a tabela para ver melhor). A tabela foi adaptada a partir de Hermannsdorfer, 1990, encontrada em http://www.buschberghof.de/Seiten/Dreiglied.html,

onde também diz que a visão que Adam Smith tinha sobre o ser humano não foi na prática posta em causa desde então:
"Die klassischen Wirtschaftstheorien gehen vom Menschenbild Adam Smith‘s aus, der den moralisierenden Charakter des wirtschaftlichen Eigennutzes beseitigte. Leider bleiben alle Theorien hier stecken... "

Não é o mercado que precisa de ser livre. São as pessoas.

Astrology made more plausible

It seems quite unreasonable to assume that far away stars that have no connection between them, but that seen from the earth reminded old Greek fellows of some mythical figures, influence our personality. Of course, everything is connected and so there could be an influence, though, how it works would be impossible to be explained.

However, where old Greek fellows saw Capricorn rising in the end of December, today there is not Capricorn rising anymore, because of all the movements of the Earth, the solar system, the Galax (I didn't grasp the Physics of that part), the constellations now rise almost one month later than they did 2000 years ago.

So if someone has Capricorn as its sun sign, actually the constellation in the night sky when he was born was not Capricorn.

Does this mean astrology is fake and we should burry it immediately and forever?

No. In fact, what matters is not at all the constellation rising at the time of your birth, but the position that the Earth has in relation to the Sun. The Earth moves around the Sun in one year, and that circle of 360' has been divided into 12 equal parts to which the symbols of the constellations have been attributed some 2000 years ago.

Now, the influence of the position of the Earth around the Sun is obvious, as it is revealed in the seasons. But it has also other influences, for example, on crystallization processes, as Lilly Kolisko has shown in the early 20th century.

But wouldn't it be boring to say, I was born at 274', instead of saying "I'm Pisces" or so? Though, that would certainly suit our modern mathematical and materialistic minds much more.

Why the time of birth should imprint personality traits upon us nevertheless remains enigmatic. Hum, I start to guess that it is not time of birth that really matters...

Tuesday, 11 December 2007

Planmaessig

"Ja, mach nur einen Plan,
sei nur ein großes Licht!
Und mach dann noch 'nen zweiten Plan,
geh’n tun sie beide nicht."

Monday, 10 December 2007

Dar a volta aos Fundos Europeus

Hoje ouvi dizer que há gente do centro da Europa que monta uma empresa ou associação em países do mediterrâneo para conseguir aceder com mais facilidade aos fundos Europeus. Muitos fundos para projectos estão disponíveis para parcerias internacionais, mas como os países do mediterrâneo estavam subrepresentados, os projectos com parceiros do mediterrâneo tinham vantagens em serem aprovados. Então o que acontece é que um indivíduo ou uma empresa do centro da Europa tém projectos aprovados porque tém um parceiro Português (digamos), e na verdade o promotor fica sentado na Bélgica (digamos) e embolsa o dinheiro dos dois lados. Claro que ainda tem que desenvolver o projecto, mas, provavelmente, o cuidado de execução no país que só serve como parceiro para conseguir os fundos vai ser menor ou nenhum. Parece então nas belas estatísticas que Portugal é parceiro em imensos projectos e que os países do mediterrâneo estão a participar e a tomar as oportunidades oferecidas pela UE, e afinal é só fantochada.

Thursday, 6 December 2007

EU Worst Greenwash award

Yesterday the German Atomforum, the lobby of the german nuclear power industry, won the Worst EU Greenwash Award. Especially for its campaign http://www.klimaschuetzer.de/ the price was given. That campaign is miserable indeed: for example, they have a brochure called "The unloved climate protectors". This price is well deserved and I sincerely congratulate the winners.

BMW, Daimler and Porsche were wining the Worst EU Lobbying Award.

Tuesday, 4 December 2007

Subsidydependency

Subsidydependency [subsidiodependência] is a condition that was identified by Portuguese farmers.
Subsidydependency is a situation in which farmers cannot control their farm operation themselves, but their decisions are shaped by the requirements to receive financial state support, on which they rely in order to secure an income or pay off debts.
As producer prices are so low and production costs increasing, farmers cannot secure their livelihoods based on agricultural production and have to rely on state support to keep in farming. (It is as if a physician couldn't earn enough through his work because it was not properly valued, and he had to rely on charity to survive.) Subsidydependency is a destabilizing condition and perceived as unfair and humiliating, especially so because farmers are those people who used to be proud of their independence and self-reliance and now have as much decision power and control over their livelihoods as a factory worker.
Subsidydependency is a result of agricultural and trade policies and of the agricultural treadmill (increasing production costs and decreasing producer prices as a result of technological innovations).
No cure for this condition is known today.

Monday, 3 December 2007


Miscellaneous

"Coimbra, Coimbra...
Que fazes tu aos estudantes?
Vão para lá tão humildes
e voltam tão importantes."

Foi o que perguntaram a um antigo Prof. meu quando ele esteve numa saída de campo. Tão bonito. ;)

"Gott ist Gott,
der Zarr ist der Zarr
und des Zarren wache wacht!"

Otfried Preussler, "Der starke Wanja"

Sunday, 2 December 2007

Pato pal ur

Mint elátkozott királyfi
Túl az Óperencián,
Él magában falujában
Pató Pál úr mogorván.
Be más lenne itt az élet,
Ha egy ifjú feleség...
Közbevágott Pató Pál úr:
"Ej, ráérünk arra még!"

Roskadófélben van a ház,
Hámlik le a vakolat,
S a szél egy darab födéllel
Már tudj' isten hol szalad;
Javítsuk ki, mert maholnap
Pallásról néz be az ég...
Közbevágott Pató Pál úr:
"Ej, ráérünk arra még!"

Puszta a kert, ehelyett a
Szántóföld szépen virít,
Temi bôven a pipacsnak
Mindenféle nemeit.
Mit henyél az a sok béres?
Mit henyélnek az ekék?...
Közbevágott Pató Pál úr:
"Ej, ráérünk arra még!"

Hát a mente, hát a nadrág,
Ugy megritkult, olyan ó,
Hogy szunyoghálónak is már
Csak szükségbôl volna jó;
Híni kell csak a szabót, a
Posztó meg van véve rég...
Közbevágott Pató Pál úr:
"Ej, ráérünk arra még!"

Életét így tengi által;
Bár apái nékie
Mindent oly bôven hagyának,
Soha sincsen semmije.
De ez nem az ô hibája;
Ô magyarnak születék,
S hazájában ôsi jelszó:
"Ej, ráérünk arra még!"

Petofi Sandor Pest, 1847.

Friday, 30 November 2007

Der schoene Amadis

Als ich noch ein Knabe war,
Sperrte man mich ein;
Und so saß ich manches Jahr
Über mir allein,
Wie im Mutterleib.

Doch du warst mein Zeitvertreib,
Goldne Phantasie,
Und ich war ein warmer Held,
Wie der Prinz Pipi,
Und durchzog die Welt.

Baute manch kristallen Schloß
Und zerstört es auch,
Warf mein blinkendes Geschoß
Drachen durch den Bauch,
Ja, ich war ein Mann!

Ritterlich befreit ich dann
Die Prinzessin Fisch;
Sie war gar zu obligeant,
Führte mich zu Tisch,
Und ich war galant.

Und ihr Kuß war Götterbrot,
Glühend wie der Wein.
Ach! Ich liebte fast mich tot!
Rings mit Sonnenschein
War sie emailliert.

Ach! wer hat sie mir entführt?
Hielt kein Zauberband
Sie zurück vom schnellen Fliehn?
Sagt, wo ist ihr Land?
Wo der Weg dahin?

J.W. Goethe

Thursday, 29 November 2007

Good, old books

A library full of free books on agriculture, health, voluntary simplicity. The section "Radical agriculture" is worthwhile for sure, there you will grin at the description of Fukuoka's "One straw revolution", as I did.

http://www.soilandhealth.org/

Wednesday, 28 November 2007

Nova lei OGM's

Comunicado da Plataforma Transgenicos Fora

Hipocrisia em forma de lei
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA CRIA SEGURO DE PROTECÇÃO ÀS CULTURAS DE MILHO TRANSGÉNICO

Foi hoje publicado o Decreto-Lei 387/2007 relativo ao Fundo de Compensação destinado a indemnizar danos económicos causados pelo cultivo de milho transgénico. O governo português reconhece assim formalmente que a introdução de variedades geneticamente modificadas pode levar à contaminação da agricultura portuguesa, e que essa contaminação acarreta prejuízos concretos.No entanto, a letra da lei falha redondamente o espírito da lei e o 387/2007, em vez de garantir protecção efectiva e integral às vítimas da contaminação, redefine prejuízo económico por forma a excluir quase todos os casos possíveis. Com efeito, e de acordo com este Decreto-Lei, não há direito legal a indemnização via Fundo de Compensação se: - o terreno contaminante e contaminado distarem mais de 200 metros [muito embora a investigação do governo ter já encontrado contaminação de 1,4% a 250 metros]; - o produtor prejudicado cultivar variedades regionais [muito embora estas constituam o nosso mais precioso património agrícola]; - a contaminação estiver abaixo de 0,9% [muito embora todos os produtores biológicos e alguns convencionais percam certificação e/ou contratos mesmo com contaminações inferiores]; - a descoberta da contaminação acontecer depois de 31 de Dezembro; - não for possível demonstrar a perda de contrato, ou seja, se a contaminação for detectada antes de o contrato ter sido acordado; - o prejudicado for um apicultor, cuja exportação ou venda de mel seja cancelada devido à presença de pólen transgénico; - a contaminação for devida a más práticas de quem cultivou milho transgénico.Para além dos casos evidentes de prejuízo não contemplados neste Decreto-Lei existe também um enviesamento marcado a favor da engenharia genética e das sementes contaminantes: - a ANSEME, Associação Nacional dos Productores e Comerciantes de Sementes, representa as empresas que vendem as sementes transgénicas e como tal é parte interessada em todos os processos e queixas que envolvam os seus produtos... mas, em flagrante conflito de interesses, a ANSEME vai fazer parte do Grupo de Avaliação que ajuizará e atribuirá indemnizações;- esse mesmo Grupo de Avaliação não inclui qualquer representante da fileira da agricultura biológica, a primeira e mais imediata vítima da contaminação, nem da sociedade civil, muito embora inclua a indústria alimentar e de rações; - hectare por hectare, a taxa a cobrar aos utilizadores de transgénicos (4 euros por hectare) vai ser frequentemente muito inferior à taxa que os produtores vitimados terão de pagar só para que a sua queixa possa dar entrada e ser considerada (que é de 100 euros por cada pedido); - mesmo que a queixa seja atendida, o Decreto-Lei não garante que o produtor receba toda a compensação a que tem direito uma vez que a indemnização efectiva depende dos fundos disponíveis em cada ano; - o preço das análises exigidas é muito elevado (pode rondar os 450 euros por amostra, fora o custo da deslocação e amostragem) e, no caso de a queixa ser indeferida, não é ressarcido; - para pequenos produtores, de dimensão familiar, o investimento em planos regulares de monitorização de contaminação e processos de queixa quando essa contaminação se verifique é simplesmente incomportável e impede qualquer tentativa de busca da compensação; - quando variedades regionais aparecerem contaminadas não está prevista qualquer medida de descontaminação ou protecção do germoplasma nacional.A machadada final nas expectativas que poderiam existir em torno deste Fundo de Compensação está na exigência de que os queixosos prescindam de qualquer outro modo de compensação financeira. Esta medida efectivamente representa um seguro de protecção às actividades da indústria da engenharia genética em Portugal, que assim recebe garantias de que, qualquer que seja a extensão do prejuízo, nunca receberá a factura real e apenas pagará os simbólicos 4 euros por hectare.
De notar que, para o caso de 2007 em que foram cultivados 4263 hectares de milho transgénico, o Fundo de Compensação receberia 17 052 euros. Este valor não é suficiente sequer para cobrir o custo de 40 análises, fora o prejuízo propriamente dito da desvalorização efectiva da produção, e não se prevê qualquer mecanismo para aumento da taxa que o financia.
O Decreto-Lei 387/2007 permite ao governo e à indústria uma última ironia: afirmar, dentro de pouco anos, que o cultivo de milho transgénico em Portugal é um sucesso na medida em que o Fundo de Compensação não está a ser utilizado. Infelizmente conhecem-se desde já as razões dessa não utilização.

O caso de Cambarinho

Cambarinho é uma pequena aldeia na Serra do Caramulo, no concelho de Vouzela. É conhceida entre amantes da natureza pela presença de Rhododendron ponticum nas margens de uma ribeira, constituindo a Reserva Botânica de Cambarinho.

As casas da aldeia ficam situadas numa encosta norte, seguem os campos agrícolas no vale, sendo a área explorada limitada pelo corte feito pela autoestrada A25, a norte da qual os terrenos pertencentes a habitantes da aldeia estão abandonados ou têm plantações florestais que necessitam de pouco maneio.

Agora acontece que na vila a sul de Cambarinho, Campia, se instalou uma zona industrial. Os camiões acedem esta zona industrial vindo pela autoestrada e atravessando Cambarinho. A estrada da aldeia não é muito larga e tem algumas curvas estreitas em que o cruzamento de camiões é difícil.

Já há bastante tempo considera-se a construção de uma estrada alternativa para a zona industrial. A sua construção foi mesmo assegurada no PDM do início dos anos 1990, através da designação de um trexo dos terrenos agrícolas como zona urbana. Na altura esta vaga ideia e a discussão do PDM não levou à intervenção da população local, mas agora que a Câmara Municipal de Vouzela quer avançar com a construção da estrada, os habitantes de Cambarinho estudam e temem o impacto que essa obra irá ter sobre os seus terrenos agrícolas.

Os habitantes da aldeia são sobretudo agricultores familiares, muitos deles já em idade de reforma, mas que, mesmo assim, continuam a produzir e a manter a paisagem agrícola e os conhecimentos ecológicos e culturais associados a esta. A produção agrícola também ajuda a complementar uma reforma reduzida ou ordenados baixos e mantém os Cambarinhenses mais idosos em forma, mental- e físicamente, estando ocupados com uma actividade sã e tranquila.

A construção de uma estrada a atravessar os terrenos agrícolas iria ter um impacto enorme sobre os modos de vida da população local. Primeiro, a largura da estrada em sí já afectaria uma grande área dos terrenos agrícolas, mas, segundo, a obra iria interferir com o curso de água, que é essencial para a fertilidade daquele sistema agrícola, potencialmente tornando toda a área imprópria para a continuação da agricultura. Os habitantes locais também temem que a travessia da estrada planeada causará problemas, tal como aconteceu com a A25. Existem pouquissimas passagens para peões, o que implica que os agricultores têm que percorrer por vezes vários Km de distância para chegar aos seus terrenos. Então levar as cabras ao pasto ou ir com a burra buscar mato ao outro lado da estrada já não compensa para muitos.

Os habitantes de Cambarinho formaram uma associação para defender os seus terrenos agrícolas da construção da estrada; a Associação de Defesa dos Interesses da Cambarinho (ADICA), - “absolutamente ridícula” aos olhos do presidente da Câmara que insiste que é só uma minoria dos habitantes da aldeia que não concorda com o troço definido pela Câmara Muncipal.

Os membros da ADICA defendem que a estrada se deveria construir do lado Este da aldeia, entre a aldeia e a Reserva Botânica. No entanto, o efeito que esta estrada poderia ter sobre a Reserva Botânica deixa associações ambientalistas reticentes em apoiar a ADICA, embora a mais valia ecológica e social da continuação de práticas agrícolas tradicionais seja reconhecida.

A questão do troço da nova estrada foi bastante debatida. A Câmara Muncipal insiste que o troço entre a aldeia e a Reserva não será fazível devido ao declive elevado, que iria comprometer os fundos da UE, que a Câmara quer aceder para a execução da obra. No entanto, a ADICA mantêm que a inlcinação não é tão elevada como a Câmara adiantou e insiste que um estudo sério desta opção deveria ser feito. Entretanto a Câmara está decidida em construir a estrada pela zona de Reserva Agrícola desanexada para este popoósito e os residentes de Cambarinho já exigem apenas uma compensação justa.

Esta situação é bastante desconsoladora, visto a industrialização do meio rural acelerar a decadência da cultura tradicional e dos meios de vida mais sustentáveis, e não haver modos legais específicos que previnam que o interesse no progresso industrial venca os interesses mais ecologicamente e socialmente sustentaveis da população local.

Agricultora mostra os terrenos agrícolas que seriam destruidos pela estrada, do alto da aldeia.

Tuesday, 27 November 2007

The forgotten obvious

"Was will Damaschke? Er nimmt sich die Bodenfrage vor, er denkt darueber nach, und aus dem Nachdenken heraus soll die Bodenfrage geloest werden. Meine sehr verehrten Anwesenden, aus dem Nachdenken heraus werden gar keine realen Dinge geloest."

Steiner (1920) Die Bodenfrage vom Standpunkte der Dreigliederung.

Can't stand it

"Wir sind im ganzen Verlauf der neueren Menschheitsentwicklung dazu gekommen, gewisse Einrichtungen einfach aus der Art, wie wir heute denken, nicht mehr zu ertragen."

R. Steiner 20 Juni 1920

Meaning something along the lines: "in the natural curse of human evolution we came to the point that we cannot stand certain institutions anymore, simply out of the way we think today."

Monday, 26 November 2007

Wer's glaubt

Wer's glaubt wird selig.
Quem acredita vai para o céu.

I-FARM

"A i-Farm (exploração agrícola inteligente)
aplica, ao nível da exploração
agrícola, o potencial da utilização
integrada de soluções móveis,
redes de sensores, comunicações
sem fios e imagens aéreas materializado
num sistema de informação
georeferenciado que suporta, no
campo ou no escritório, a tomada de
decisão do empresário agrícola em
tempo real, integrando variáveis
culturais, ambientais, sanitárias,
económicas, etc."

...ao fim ao cabo o mesmo de o agricultor dar um passeio pelas terras, mas agora o agricultor poderia ser muita burro, desde que saiba usar as TIC's. O Masanobu Fukuoka iria ter um ataque cardíaco ao ler isto, se até eu estive numa situação de alto risco ao descobrir esta newsletter. Ainda para mais em Portugal, um país em que os agricultores na maioria não têm a escola primária completa e os lucros quase não existem na agricultura (fora os subsidios), de modo a que um investimento deste tipo é absolutamente utópico. Além de estúpido.

Em Agrocultura nr. 11 (2006) do Programa AGRO http://www.programa-agro.net/centro_info_detail.asp?centro_informacao_tipo_id=4&centro_informacao_id=306

Sunday, 25 November 2007

Key reading, key dreaming

No words. I love it. I dream it.

Why don't you...?

No. Because I don't care.

Saturday, 24 November 2007

Traumbild

A dream both strange and sad to see
Once startled and delighted me;
The dismal vision haunts me still,
And in my heart doth wildly thrill.

There was a garden wondrous fair, -
I fain would wander gladly there;
The beauteous flowers upon me gazed,
And high I found my rapture raised.

The birds were twittering above
Their joyous melodies of love;
The sun was red with rays of gold,
The flowers all lovely to behold.

Sweet fragrance all the herbs exhale,
And sweetly, softly blows the gale;
And all things glisten, all things smile,
And show their loveliness the while.

Admit that bright and flowery land
A marble fountain was at hand,
And there I saw a maiden fair
Washing a garment white with care.

Her cheeks were sweet, her eyes were mild,
Fair hair’d and saintly look’d the child,
And as I gazed, she seemed to be
So strange, yet so well known to me.

The beauteous girl, who made all speed,
A song was humming, strange indeed:
“Water, water, quickly run,
let the washing soon be done.”

I went and stood then in her way,
And whisper’d gently: “Prythee say,
Thou maiden sweet and wondrous fair,
For whom dost thou this dress prepare?”

Then spake she quickly: “Ready be!
I’m washing thine own shroud for thee!” –
Scarce let her lips this words let fall,
Like foam the vision vanish’d all.

And still entranced, ere long I stood
Within a desert, gloomy wood:
To reach the skies the branches sought;
I stood amazed and though and thought.

And hark! What hallow echoing sound,
Like axe-strokes fills the air around;
Through waste and wood I speed apace,
Until I reach an open place.

In the green plain before me spread
A mighty oak tree rear’d its head;
And lo! The maiden, strange to see,
Was felling with the axe the tree.

With blow on blow a song she sings,
Unceasing as the axe she swings:
“Iron glittering, iron bright,
hew the oaken chest aright.”

I went and stood then in her way,
And whisper’d gently: “Prythee say,
Thou sweet and wondrous maiden mine,
For whom dost hew the oaken shrine?”

Then spake she quickly: “Time is short,
To hew thy coffin is my sport!” –
Scarce had her lips these words let fall,
Like foam the vision vanish’d all.

Bleak, dim was all above, beneath,
Around was barren, barren heath:
I felt in strange mysterious mood,
And shuddering inwardly I stood.

And as I roam’d on silently,
A whitish streak soon caught my eye;
I hasten’d tow’rd it, and when there,
Behold, I found the maiden fair!

On wide heath stood the snowy maid,
Digging the ground with sexton’s spade;
Scarce dared I gaze on her aright,
So fair yet fearful was the sight.

The beauteous girl, who made all speed,
A song was humming, strange indeed:
“Spade, o spade, so sharp and tried,
dig a pit, both deep and wide.”

I went, and stood then in her way,
And whisper’d gently: “Prythee say,
Thou maiden sweet and wondrous fair,
What means the pit that’s lying there?”

Then spake she quickly: “Silent be!
A cold, cold grave I dig for thee.”
And when the fair maid thus replied,
Its mouth the pit straight opened wide.

And when the pit was full in view,
A chilling shudder pierced me through,
And in the grave so dark and deep
Headlong I fell, and – woke from sleep.

Heinrich Heine, Book of Songs,
translated by Edgar A. Blowring

Friday, 23 November 2007

CAP subsidies in Germany

http://www.wer-profitiert.de/
Wer profitiert?
Initiative fuer Transparenz bei EU-Agrarsubventionen.


The table below lists the amount spent in export subsidies in Germany for selected agricultural products in the years 2001 to 2004... And this graph shows how many farms received how much direct payments (in €) from the Common Agricultural Policy, in 2003. Blue is the % of farms, pink is the % of total direct payments.

1.1% of farms received about 25% of direct payment funds in Germany in 2003. I'm sure you heard the rumour that in the UK it is the Queen who receives the bulk of agicultural subsidies. Though I've never seen her driving a tractor nor does she look very needy.

Beyond GDP

Finally the EU started to consider whether GDP is EVERYTHING to strive for, organzing this conference on the 19-20th November 2007:
http://www.beyond-gdp.eu/
And the report for the European Parliament about GDP's origin and usefulness:
http://www.europarl.europa.eu/comparl/envi/pdf/externalexpertise/gdp.pdf

PRA in the EU

The sustainable livelihoods framework and Participatory Rural Appraisal have originated in the 80's in the South and have been applied later to settings in the North. They are used to research problems and to change social arrangements in order to support collective-action. The problem is that frequently it is forgotten that the actions at local level are constrained by wider socio-political structures which cannot be changed by the local community. Also, communities are heterogeneous and the participatory processes tend to work with the middle classes.

The problem is that these participatory and bottom-up rural development process have been used in Europe in a way that seems to imply that the problems of underdevelopment can be resolved at the local level.

Also "PRA or similar participatory approaches for rural development are often utilized as legitimizing instrument for channeling rural development funds, often EU money, and for promoting localized rural development as an excuse for lacking overall policy concepts to overcome structural inequalities between and within regions and localities."

Take conclusions regarding the LEADER program yourself. :*)

KORF, B., OUGHTON, E. (2006) Rethinking the European countryside - can we learn from the South? Journal of Rural Studies, 22, 278-289.

Thursday, 22 November 2007

Die Wallfahrt nach Kevlaar

Am Fenster stand die Mutter,
Im Bette lag der Sohn.
»Willst du nicht aufstehn, Wilhelm,
Zu schaun die Prozession?«

»Ich bin so krank, o Mutter,
Daß ich nicht hör und seh;
Ich denk an das tote Gretchen,
Da tut das Herz mir weh.« -

»Steh auf, wir wollen nach Kevlaar,
Nimm Buch und Rosenkranz;
Die Mutter Gottes heilt dir
Dein krankes Herze ganz.«

Es flattern die Kirchenfahnen,
Es singt im Kirchenton;
Das ist zu Köllen am Rheine,
Da geht die Prozession.

Die Mutter folgt der Menge,
Den Sohn, den führet sie,
Sie singen beide im Chore:
Gelobt seist du Marie!
2
Die Mutter Gottes zu Kevlaar
Trägt heut ihr bestes Kleid;
Heut hat sie viel zu schaffen,
Es kommen viel kranke Leut.

Die kranken Leute bringen
Ihr dar, als Opferspend,
Aus Wachs gebildete Glieder,
Viel wächserne Füß und Händ.

Und wer eine Wachshand opfert,
Dem heilt an der Hand die Wund;
Und wer einen Wachsfuß opfert,
Dem wird der Fuß gesund.

Nach Kevlaar ging mancher auf Krücken,
Der jetzo tanzt auf dem Seil,
Gar mancher spielt jetzt die Bratsche,
Dem dort kein Finger war heil.

Die Mutter nahm ein Wachslicht,
Und bildete draus ein Herz.
»Bring das der Mutter Gottes,
Dann heilt sie deinen Schmerz.«

Der Sohn nahm seufzend das Wachsherz,
Ging seufzend zum Heilgenbild;
Die Träne quillt aus dem Auge,
Das Wort aus dem Herzen quillt:

»Du hochgebenedeite,
Du reine Gottesmagd,
Du Königin des Himmels,
Dir sei mein Leid geklagt!

Ich wohnte mit meiner Mutter
Zu Köllen in der Stadt,
Der Stadt, die viele hundert
Kapellen und Kirchen hat.

Und neben uns wohnte Gretchen,
Doch die ist tot jetzund
- Marie, dir bring ich ein Wachsherz,
Heil du meine Herzenswund.

Heil du mein krankes Herze
- Ich will auch spät und früh
Inbrünstiglich beten und singen:
Gelobt seist du, Marie!«
3
Der kranke Sohn und die Mutter,
Die schliefen im Kämmerlein;
Da kam die Mutter Gottes
Ganz leise geschlichen herein.

Sie beugte sich über den Kranken,
Und legte ihre Hand
Ganz leise auf sein Herze,
Und lächelte mild und schwand.

Die Mutter schaut alles im Traume,
Und hat noch mehr geschaut;
Sie erwachte aus dem Schlummer,
Die Hunde bellten so laut.

Da lag dahingestrecket Ihr Sohn,
und der war tot;
Es spielt auf den bleichen Wangen
Das lichte Morgenrot.

Die Mutter faltet die Hände,
Ihr war, sie wußte nicht wie;
Andächtig sang sie leise:
Gelobt seist du, Marie!

Heinrich Heine

Tuesday, 20 November 2007

Livestock in farming

This was a very good "newsletter" from my vegetable box scheme "RiverNene"
http://www.rivernene.co.uk/

What goes around, comes around
Thursday 8th November 2007

After many years of conventional management there is a lot to be done before a farm is fit and healthy for growing crops organically. The farm we have just moved to has been managed non-organically since the Second World War. Like most farms in our area it has been used for producing arable crops like wheat, potatoes and oil seed rape. There was a short period in the 1980s when a few lonely cows graced the fields, but other than that it has been animal-free for half a century. Without animals, or manure from neighbouring farms, the soils inevitably become low in organic matter. Without organic matter the millions of microbes that make the soil their home become starved. Unfortunately without these minuscule powerhouses the structure of the soil declines and so too does the soil’s natural ability to sustain plants.

Livestock has always been an indispensable companion to sustainable farming. It is a simple circle of life. The microorganisms in the soil feed the plants. The plants feed the animals. The animals return their manure to the land to feed the microorganisms. And so the cycle continues. So when we took on the farm I knew it had to involve livestock. Our long term plan is to make some of the fields cattle-proof by laying the hedges. Then we plan to work with a local organic beef farm to bring cattle onto the farm, but this is likely to take us another couple of years. In the meantime it has been a pleasure to welcome the first farm animals onto our holding for 25 years.

The sheep that will graze our fields for the winter arrived this week. Not renowned for their intelligence, it was perhaps unsurprising that they settled in immediately, seemingly blissfully unaware of any change in their surroundings. Our grass will keep them well fed over the winter and their grazing, and resulting dung, will help to keep control of the weeds and feed the life in the soil. It truly is a match made in heaven.

Rob Haward

"Pequenos Produtores Esfriam o Planeta"

"As atuais formas globais de produção, consumo e mercado causaram uma destruição massiva do meio ambiente, incluindo o aquecimento global, que está colocando em risco os ecossistemas de nosso planeta e levando as comunidades humanas rumo aos desastres. O aquecimento global mostra o fracasso do modelo de desenvolvimento baseado no consumo de energia fóssil, na superprodução e no livre comércio.

Os camponeses e camponesas de todo o mundo unem suas mãos com outros movimentos sociais, organizações, pessoas e comunidades em defesa de transformações sociais, econômicas e políticas radicais para inverter a tendência atual. Os camponeses, especialmente os pequenos produtores, são os primeiros a sofrer os impactos das mudanças climáticas.

As mudanças nas estações trazem consigo secas pouco usuais, inundações e tormentas, destruindo terras de cultivo e casas dos camponeses. Ainda mais, as espécies animais e vegetais estão desaparecendo num ritmo sem precedentes.

Os camponeses têm que se adaptar aos novos padrões climáticos, adaptando suas sementes e seus sistemas de produção habituais a uma nova situação, que é imprevisível. As secas e inundações estão conduzindo ao fracasso as colheitas, aumentando o número de pessoas famintas no mundo.

Há estudos que prevêem um decrescimento da produção agrícola global numa escala que varia de 3 a 16% para o ano 2008. Nas regiões tropicais, o aquecimento global conduzirá, muito provavelmente, a um grave declínio da agricultura (mais de 50% em Senegal e mais de 40% em Índia), e à aceleração da desertificação de terras de cultivo. Por outro lado, enormes áreas na Rússia e Canadá se tornarão cultiváveis pela primeira vez na história humana, mas ainda se desconhece como estas regiões poderão ser cultivadas.

A produção e o consumo industrial de alimento estão contribuindo de forma significativa para o aquecimento e a destruição de comunidades rurais. O transporte intercontinental de alimento, a monocultura intensiva, a destruição de terras e bosques e o uso de insumos químicos na agricultura estão transformando a agricultura em consumidor de energia e contribuindo para a mudança climática.

Sob as políticas neoliberais impostas pela Organização Mundial do Comercio (OMC), bem como pelo Banco Mundial (BM) e o Fundo Monetário Internacional (FMI), os acordos de livre comércio bilaterais, a comida se produz com pesticidas derivados do petróleo e fertilizantes, e são transportadas para todo o mundo para a sua transformação e consumo.

A Via Campesina, um movimento que reúne milhões de camponeses e produtores de todo o mundo, declara que é tempo de mudar de forma radical a forma de produzir, transformar, comercializar e consumir alimentos e produtos agrícolas. Acreditamos que a agricultura sustentável em pequena escala e o consumo local de alimentos vai inverter a devastação atual e sustentar milhões de famílias camponesas. A agricultura também pode contribuir para o esfriamento da terra utilizando práticas agrícolas que reduzam a emissão de CO2 e o uso de energia por parte dos camponeses.

Por outro lado, os camponeses também podem contribuir na produção de energia renovável, especialmente por meio da energia solar e o biogás. A agricultura globalizada e a agricultura industrializada geram o aquecimento global pelos seguintes pontos:

1) Por transportar alimentos por todo o mundo

Transportam-se alimentos frescos e empacotados por todo o mundo e, atualmente, não é raro encontrar nos Estados Unidos ou na Europa, frutas, verduras, carne e vinho provenientes da África, América do Sul ou Oceania; também encontramos arroz asiático na América ou na África.

Os combustíveis fósseis usados para o transporte de alimento estão liberando toneladas de CO2 para a atmosfera. A organização de camponeses suíços, a UNITERRE, calculou que um quilo de aspargos importados do México necessita 5 litros de petróleo para viajar por via aérea (11.800 quilômetros) até a Suíça. No entanto, um quilo de aspargo produzido em Genebra necessita somente 0,3 litros de petróleo para chegar até o consumidor.

2) Pela imposição de meios industriais de produção (mecanização, intensificação do uso de agro-químicos, monocultivo)

A chamada agricultura moderna, especialmente a monocultura industrial, está destruindo os processos naturais do solo (o que conduz a uma presença de CO2 na matéria) e substitui por processos químicos baseados em fertilizantes e pesticidas.

Por conta, acima de tudo, do uso de fertilizantes químicos, da criação intensiva de gado e da monocultura, se produz um volume significativo de óxido nitroso (NO2), o terceiro gás de efeito invernadeiro com maior efeito sobre o aquecimento global. Na Europa, 40% da energia consumida nas explorações agrárias se deve à produção de fertilizantes nitrogenados.

Por sua vez, a produção agrária industrial consome muito mais energia (e libera mais CO2) para mover seus tratores gigantescos para cultivar a terra e processar a comida.

3) Por destruir a biodiversidade (e sumideiros de carbono)

O ciclo do carbono tem sido parte da estabilidade do clima durante milhões de anos. As empresas do agronegócio destruíram este equilíbrio pela imposição generalizada da agricultura química (com uso massivo de pesticidas e fertilizantes procedentes do petróleo), com a queima de bosques para plantações de monocultivo e destruindo as terras pantanosas e a biodiversidade.

4) Conversão da terra e os bosques em áreas não agrícolas

Bosques, pastagens e terras cultiváveis estão sendo convertidos rapidamente em áreas de produção agrícola industrial, em centros comerciais, complexos industriais, grandes casas e em grandes projetos de infra-estrutura ou em complexos turísticos. Estas mudanças causam a liberação massiva de carbono e reduzem a capacidade do meio ambiente absorver o carbono liberado na atmosfera.

5) Transformação da agricultura de produtora em consumidora de energia

Em termos energéticos, o primeiro papel das plantas e da agricultura é transformar a energia solar na energia contida nos açucares e celuloses que podem ser diretamente absorvidas na comida ou transformadas em produtos de origem animal. Esse processo é natural e gera energia na cadeia alimentar.

Não obstante, a industrialização do processo agrícola nos conduziu, nos últimos 200 anos, a uma agricultura que consome energia (usando tratores, agro-químicos derivados do petróleo, fertilizantes).

Falsas soluções

Os agrocombustíveis (combustíveis produzidos a partir de plantas e árvores) se apresentaram muitas vezes como uma solução para a atual crise energética. Segundo o protocolo de Kyoto, 20% do consumo global de energia deveriam provir de recursos renováveis até 2020 - e isto inclui os agrocombustíveis.

No entanto, deixando de lado a loucura de produzir comida para alimentar os automóveis enquanto muitos seres humanos estão morrendo de fome, a produção industrial de agrocombustíveis vai aumentar o aquecimento global, em vez de proporcionar a redução.

Em troca de uma pequena mudança ainda não comprovada (com exceção da cana-de-açúcar) de alguns gases de efeito invernadeiro comparado com os combustíveis fósseis, a produção da monocultura de palma, soja, milho ou cana-de-açúcar vai contribuir no desflorestamento e na destruição da biodiversidade. A produção intensiva de agrocombustíveis não é uma solução para o aquecimento global nem resolverá a crise global no setor agrícola.

O comércio de carbono

No protocolo de Kyoto e outros planos internacionais, o “comércio de carbono” tem se apresentado como uma solução para o aquecimento global. É uma privatização do carbono posterior à privatização da terra, ar, sementes, água e outros recursos.

Permite que governos assinem licenças com grandes contaminadores industriais de modo que possam comprar o “direito de contaminar” entre eles mesmos. Alguns outros programas fomentam que países industrializados financiem vertedouros baratos de carbono tais como plantações em grande escala no Sul, como uma forma de evitar a redução das suas próprias emissões.

Dessa maneira, estão sendo criadas grandes plantações ou áreas naturais de conservação na Ásia, África e América Latina, expulsando comunidades de suas terras e reduzindo o direito de acesso aos próprios bosques, campos e rios.

Cultivos e árvores transgênicas

Atualmente estão sendo desenvolvidas árvores e cultivos transgênicos para agrocombustíveis. Os organismos geneticamente modificados não resolverão nenhuma crise do meio ambiente sem que os mesmos coloquem em risco o meio ambiente, bem como a saúde e a segurança alimentar.

Essas árvores e cultivos transgênicos formam parte da “segunda geração” de agrocombustíveis baseados na celulose, enquanto que a primeira geração se baseia em diferentes formas de açúcar das plantas. Ainda, nos casos nos quais não se usam variedades transgênicas, a “segunda geração” apresenta os mesmos problemas que a geração anterior.

A Soberania Alimentar proporciona meios de subsistência a milhões de pessoas e protege a vida na terra
A Via Campesina acredita que as soluções para a atual crise têm que surgir de atores sociais organizados, que estão desenvolvendo modelos de produção, comércio e consumo baseados na justiça, na solidariedade e em comunidades saudáveis.

Nenhuma solução tecnológica vai resolver o desastre social e do meio ambiente. Somente uma mudança radical na forma como produzimos, comercializamos e consumimos pode dar terras para comunidades rurais e urbanas saudáveis. A agricultura sustentável em pequena escala, um trabalho intensivo e de pouco consumo de energia podem contribuir para o resfriamento da terra:

- Assumindo mais CO2 no solo, de maneira orgânica, através da produção sustentável (a produção extensiva de vacas e ovelhas em pastagens tem um balanço positivo de gás invernadeiro).

- Substituição dos fertilizantes nitrogenados pela agricultura ecológica e/ou cultivando proteaginosas que capturam nitrogênio diretamente do ar.

- Produção de biogás de resíduos animais e vegetais, com a condição de manter suficiente matéria orgânica no solo.

Em todo o mundo, praticamos e defendemos a agricultura familiar e sustentável e em pequena escala, e exigimos soberania alimentar. A soberania alimentar é o direito das pessoas aos alimentos saudáveis e culturalmente apropriados, produzidos através de métodos sustentáveis e saudáveis, e seu direito a definir seus próprios alimentos e sistemas de agricultura.

Colocamos no fundamento dos sistemas e das políticas alimentares as aspirações e necessidades daqueles que produzem, distribuem e consomem alimento, no lugar das demandas dos mercados e das transnacionais.

A soberania alimentar dá prioridade às economias e mercados locais e nacionais, dando poder a camponeses e pequenos agricultores, aos pescadores tradicionais, aos pastores e à produção, distribuição e consumo de alimentos baseados na sustentabilidade ambiental, social e econômica. Exigimos urgentemente aos encarregados de tomar decisões locais, nacionais e internacionais:

1) O desmantelamento completo das companhias de agrocombustíveis. Estão despojando aos pequenos produtores de suas terras, produzindo lixo e criando desastres ambientais.

2) A substituição da agricultura industrializada pela agricultura sustentável em pequena escala, apoiada por verdadeiros programas de reforma agrária.

3) A promoção de políticas energéticas sensatas e sustentáveis. Isto inclui o consumo de menor energia e a produção de energia solar e biogás pelos camponeses em lugar da promoção em grande escala da produção de agrocombustíveis, como é o caso atual.

4) A implementação de políticas de agricultura e comércio em nível local, nacional e internacional, dando suporte à agricultura sustentável e ao consumo de alimentos locais. Isto inclui a abolição total dos subsídios que levam ao dumping (competição desleal) de comida barata nos mercados de exportação e o dumping de comida barata em mercados nacionais.

Pelos meios de subsistência de milhões de pequenos produtores de todo o mundo, pela saúde das pessoas e pela sobrevivência do planeta: exigimos soberania alimentar e nos comprometemos a lutar de forma coletiva para consegui-la."

VIA CAMPESINA INTERNACIONAL

(Tradução do espanhol: Daniel S. Pereira – São Paulo/SP)

Friday, 16 November 2007

Worst EU lobby award


Questions we should ask ourselves

As PhD students we should be clear about the advantages and disadvantages of specialization.

Is Specialization a Dead End?
The Phylogeny of Host Use in Dendroctonus Bark Beetles (Scolytidae)

Scott T. Kelley, Brian D. Farrell
Evolution, Volume 52, Issue 6 (Dec., 1998), 1731-1743.

The concept that specialization leads to an evolutionary dead end, first postulated by Cope (1896) as the "law of the unspecialized," has been a central idea in evolutionary biology
(Huxley 1942; Mayr 1963; Rensch 1980).
While shifts between generalist and specialist habits surely occur in both directions, it is not yet clear whether specialists are more often phylogenetically derived and dispersed (i.e., highly
"tippy"; found at the tips of the phylogenetic tree) consistent with the notion that specialists more often go extinct.

The "jack of all trades, master of none" hypothesis is commonly used to explain the prevalence of specialists (Via 1984, 1986; Simms and Rausher 1989; Tienderen 1991; Schluter 1995; Robinson et al. 1996). Under this hypothesis, specialization evolves as a consequence of trade-offs in performance of organisms on different hosts, such that optimized use of one host limits performance on others (Simms and Rausher 1989; Futuyma and Moreno 1988; Jaenike 1990).
Disparate results in the search for performance trade-offs has led to evaluation of other factors favoring specialization, such as freedom from natural enemies (Price et al. 1980; Bernays
and Graham 1988).

Thoughts for amusement

Yesterady evening this section of Steiners "Philosophy of freedom" amused me a lot:

"When three people are sitting at a table, how many distinct tables are there: Whoever answers “one” is a naïve realist; whoever answers “three” is a transcendental idealist; but whoever answers “four” is a transcendental realist. Here, of course, it is assumed that it is legitimate to embrace such different things as the one table as a thing-in-itself and the three tables as perceptual objects in the three consciousnesses under the common designation of “a table”. If this seems too great a liberty to anyone, he will have to answer “one and three” instead of “four”.
When two people are alone together in a room, how many distinct persons are there: Whoever answers “two” is a naïve realist. Whoever answers “four” (namely, one self and one other person in each of the two consciousnesses) is a transcendental idealist. Whoever answers “six” (namely, two persons as “things-in-themselves” and four persons as mentally pictured objects in the two consciousnesses) is a transcendental realist. "

Anyone wants to talk alone with me, under 12 eyes/ unter 12 Augen?

Wednesday, 14 November 2007

Monday, 12 November 2007

Newcomers to farming

The abandonment of small farms is occurring worldwide, as it is a side-effect of major economic theory streams, underlying agricultural and trade policy. As these theoretic ideas underlying policies are predominantly based on narrow insights into the complexities of economic life and the role of agriculture, it is understandable that unwanted consequences accompany them.

Land abandonment is one of those unwanted consequences of agricultural and trade policy. It is problematic in so far as it implies that small-scale farming is not profitable anymore and entire farm families, villages and regions cannot derive an income from farming and have to search for alternative income sources to secure their livelihoods. However, alternative income sources are scarce in rural areas and people are forced to migrate into cities and foreign countries to find a job they can carry out with their former working experience. The abandoned land can be subject to natural succession and revegetation, but when agricultural land goes out of cultivation for local needs, people once supported by those lands start to rely on far-off resources, implying dependence on factors out of their control (Norberg-Hodge, 2000), low real economic efficiency in the agro-food chain (Pretty, 1998, Groh, 1997) and an increased ecological footprint (Sachs, 1998).

Industrialization of agriculture started late in the XXth century in Portugal and family-farming and the peasant economy are facing a serious threat of extinction. Therefore it is urgent to preserve the traits of still existing traditional farming systems that will be key to develop a sustainable, locally adapted agriculture. These traits can only be preserved if the knowledge underpinning it continues to be used and passed on. As the agricultural population in marginal areas in Portugal is mainly made up of elderly, with little skills in farm business management, as they are required nowadays to assure farm viability, newcomers to farming will play a crucial role to start off sustainable development of marginal areas.

(This is a little excerpt of my annual report)

Tuesday, 6 November 2007

Wunschpunsch Rezept

Man nehme kathotyme Phleben
und katafalkes Polyglom,
und lasse beides zyklisch schweben
in dramoliertem An-Atom.
Durch schlemihilierte Ektoplasen
purgiert sich schismothymes Myrth
das wiederum mit Antigasen
zum Prosten alkoholisiert.
Basierend auf humanem Morchel
aus ungeflaxtem Proklamat
tingiert der aziphere Schnorchel
gratinisch mit dem Thermostat.
Konjekturiert die Unglykose
sodann auf Saeureparitaet,
ballonisiert sich die Sklerose
zur Hoch-Promille-Qualitaet;
doch ist die Dosis nicht halunkisch
durch ganoviertes Krimminol,
bleibt die komplexe Drexe flunkisch
als unstabiler Ulkohol.
Drum achte man aufs Hirngeblaese
beim diabolischen Kontarkt,
denn scheuert die Schimaeren-Fraese,
dann schnibbelt leicht der Sadofarkt.
Ist dies erfyllt, so byllt sich thymisch
Galaxenparalaxenwachs
in pyromanem Slaz alchymisch
als asdrubales Minimax.
...

Michael Ende

No wonder this reminds me of organic chemistry classes and...the congress of rural studies...

Monday, 5 November 2007

Multifuncbanalidade

No meio académico-científico em Portugal está em grande moda falar da multifuncionalidade. Multifuncionalidade já não é um atributo, um adjectivo que caracteriza por exemplo a agricultura, mas passou a substantivo e objecto de investigação, bastante atractivo até para se conseguir financiamento de projectos, por estar na moda mesmo.

Numa perspectiva histórica é importante sim, que agora, finalmente, após 50 anos a se louvar a eficiência e racionalidade de explorações dedicadas unicamente à produção em massa de umas poucos cultivares, se ter notado que a agricultura tem mais funções para além da produção primária. Como a produção agrícola tem inúmeras externalidades, que se pode mesmo designar por funções, (tal como preservação de biodiversidade, preservação de agrobiodiversidade, preservação de conhecmineto ecológico local, preservação da cultura camponesa, fortalecimento de ligações socias, etc, etc) caracterizou-se então a agricultura como um sector multifuncional.

Agora acontece que, finalmente a PAC adoptou o termo "agricultura multifuncional", não se sabe bem porque. Por um lado concerteza a pressão de grupos ambientalistas tornaram necessário o sector político responder e considerar os efeitos paralelos da actividade agrícola. Por outro lado, as negociações no âmbito do estabelecimento do Acordo sobre Agricultura da OMC, levou também a que os países industrializados quisessem arranjar estratégias alternativas santinhas de manter o seu proteccionismo. Então dizer "oh não, nós não pagamos aos agricultores para produzir, mas apenas para preservar a paisagem" é uma desculpa bonita até para se continuar a dar dinheiro aos agricultores, sem directamente estimular ou influenciar a produção. Portanto; caixinha verde.

O que me parece é que no meio académico agora se está a tentar perceber "o que é que eles querem dizer com multifuncionalidade"? E, em vez de se consultar uma enciclopédia ou um simples dicionário, especula-se. Perceber o que é que é aquilo da multifuncionalidade é tornado uma acção de esforço científico colectivo e quem sabe articular frases complexas em torno da multifuncionalidade do espaço rural sem se engasgar (nem é preciso dizer nada de jeito) é herói.

Há quem diga que o conceito da multifuncionalidade operacionaliza o conceito do desenvolvimento sustentável: em vez de se estar a falar de um termo tão vago como sustentável, fala-se agora de "promover a multifuncionalidade", ou seja, numa exploração agrícola ou numa região o que se quer promover agora é que se faça lá diferentes tipos de coisas que sejam boas para o ser humano (serviços, funções) e não só uma (o que de facto nunca ou muito raramente aconteceu).

Isto porque? Porque parece mais cientificamente correcto fazer-se de conta que não se está a guiar a orientação por valores pessoais, por ideologias. Fica melhor dizer "multifuncionalidade", que parece ser uma coisa neutra. Quem estiver afectado pode escolher quais são as preferências em termos de funções que se pretende para um determinado espaço. Mas isso tira exactamente a orientação para a sustentabilidade; para o maior bem comum a longo prazo! - Fazer de contas que é indiferente o que se faz e como.

Parece então que toda a investigação em torno do conceito de multifuncionalidade não tem fundamentos sólidos, está a flutuar sobre nada. Em vez de termos uma visão sólida, explícita sobre quais são e como queremos resolver os problemas do meio rural e basearmos a nossa investigação e intervenção nessa compreensão, gasta-se imenso tempo e imensos recursos para construir e manter a visão do "cientificamente neutro". Exactamente numa área tão complexa como a Sociologia Rural é necessário ter as ideias e convicções básicas bem claras e explícitas, para que essas possam ser discutidas abertamente, refutadas, avançadas. Manter as ideologias por detrás da cortina e falar apenas em qualquer coisa superficial (tipo processos e dinâmicas territoriais) desavança o conhecimento e a resolução dos problemas que se agravam a cada dia.

O que é assustador também é que o que são consideradas ser as ideais "explorações multifuncionais" são, de facto, o passa-tempo de ricos que têm capital e formação e cunhas suficientes para investirem em múltiplas actividades ao nível da exploração. Pluriactividade portanto, e não multifuncionalidade da agricultura. "O desenvolvimento da multifuncionalidade" não é então nada que vá melhorar as condições de vida dos agricultores familiares nas zonas rurais marginalizadas.

Tuesday, 30 October 2007

Morgen, Kinder wird's was geben

Wann i nimma meng dat gangat i hoam.
Wann i nimma meng dat, do gangat i hoam!
Wann i nimma meng dat,
Wann i nimma meng dat,
Wannn i nimma meng dat
gangat i hoam!

G. Polt

Anmutige Gegend

ariel
Wenn der Blüten Frühlingsregen über alle schwebend sinkt,
Wenn der Felder grüner Segen Allen Erdgebornen blinkt,
Kleiner Elfen Geistergröße Eilet, wo sie helfen kann,
Ob er heilig, ob er böse, Jammert sie der Unglücksmann.

Die ihr dies Haupt umschwebt im luft'gen Kreise,
Erzeigt euch hier nach edler Elfen Weise,
Besänftiget des Herzens grimmen Strauß,
Entfernt des Vorwurfs glühend bittre Pfeile,
Sein Innres reinigt von erlebtem Graus.
Vier sind die Pausen nächtiger Weile,
Nun ohne Säumen füllt sie freundlich aus.

Erst senkt sein Haupt aufs kühle Polster nieder,
Dann badet ihn in Tau aus Lethes Flut;
Gelenk sind bald die krampferstarrten Glieder,
Wenn er gestärkt dem Tag entgegenruht;
Vollbringt der Elfen schönste Pflicht,
Gebt ihn zurück dem heiligen Licht.

chor
Wenn sich lau die Lüfte füllen
Um den grünumschränkten Plan,
Süße Düfte, Nebelhüllen
Senkt die Dämmerung heran.
Lispelt leise süßen Frieden,
Wiegt das Herz in Kindesruh;
Und den Augen dieses Müden
Schließt des Tages Pforte zu.

Nacht ist schon hereingesunken,
Schließt sich heilig Stern an Stern,
Große Lichter, kleine Funken
Glitzern nah und glänzen fern;
Glitzern hier im See sich spiegelnd,
Glänzen droben klarer Nacht,
Tiefsten Ruhens Glück besiegelnd
Herrscht des Mondes volle Pracht.

Schon verloschen sind die Stunden,
Hingeschwunden Schmerz und Glück;
Fühl es vor! Du wirst gesunden;
Traue neuem Tagesblick.
Täler grünen, Hügel schwellen,
Buschen sich zu Schattenruh;
Und in schwanken Silberwellen
Wogt die Saat der Ernte zu.

Wunsch um Wünsche zu erlangen,
Schaue nach dem Glanze dort!
Leise bist du nur umfangen,
Schlaf ist Schale, wirf sie fort!
Säume nicht, dich zu erdreisten,
Wenn die Menge zaudernd schweift;
Alles kann der Edle leisten,
Der versteht und rasch ergreift.

ariel
Horchet! horcht dem Sturm der Horen!
Tönend wird für Geistesohren
Schon der neue Tag geboren.
Felsentore knarren rasselnd,
Phöbus' Räder rollen prasselnd,
Welch Getöse bringt das Licht!
Es trommetet, es posaunet,
Auge blinzt und Ohr erstaunet,
Unerhörtes hört sich nicht.
Schlüpfet zu den Blumenkronen,
Tiefer, tiefer, still zu wohnen,
In die Felsen, unters Laub;
Trifft es euch, so seid ihr taub.

faust
Des Lebens Pulse schlagen frisch lebendig,
ätherische Dämmerung milde zu begrüßen;
Du, Erde, warst auch diese Nacht beständig
Und atmest neu erquickt zu meinen Füßen,

Beginnest schon, mit Lust mich zu umgeben,
Du regst und rührst ein kräftiges Beschließen,
Zum höchsten Dasein immerfort zu streben.
- In Dämmerschein liegt schon die Welt erschlossen,
Der Wald ertönt von tausendstimmigem Leben,
Tal aus, Tal ein ist Nebelstreif ergossen,
Doch senkt sich Himmelsklarheit in die Tiefen,
Und Zweig und äste, frisch erquickt, entsprossen
Dem duft'gen Abgrund, wo versenkt sie schliefen;
Auch Farb' an Farbe klärt sich los vom Grunde,
Wo Blum' und Blatt von Zitterperle triefen -
Ein Paradies wird um mich her die Runde.

Hinaufgeschaut! - Der Berge Gipfelriesen
Verkünden schon die feierlichste Stunde;
Sie dürfen früh des ewigen Lichts genießen,
Das später sich zu uns hernieder wendet.
Jezt zu der Alpe grüngesenkten Wiesen
Wird neuer Glanz und Deutlichkeit gespendet,
Und stufenweis herab ist es gelungen;
- Sie tritt hervor! - und, leider schon geblendet,
Kehr' ich mich weg, vom Augenschmerz durchdrungen.

So ist es also, wenn ein sehnend Hoffen
Dem höchsten Wunsch sich traulich zugerungen,
Erfüllungspforten findet flügeloffen;
Nun aber bricht aus jenen ewigen Gründen
Ein Flammenübermaß, wir stehn betroffen;
Des Lebens Fackel wollten wir entzünden,
Ein Feuermeer umschlingt uns,
welch ein Feuer! Ist's Lieb'? ist's Haß? die glühend uns umwinden,
Mit Schmerz und Freuden wechselnd ungeheuer,
So daß wir wieder nach der Erde blicken,
Zu bergen uns in jugendlichstem Schleier.

So bleibe denn die Sonne mir im Rücken!
Der Wassersturz, das Felsenriff durchbrausend,
Ihn schau' ich an mit wachsendem Entzücken.
Von Sturz zu Sturzen wälzt er jetzt in tausend,
Dann abertausend Strömen sich ergießend,
Hoch in die Lüfte Schaum an Schäume sausend.
Allein wie herrlich, diesem Sturm ersprießend,
Wölbt sich des bunten Bogens Wechseldauer,
Bald rein gezeichnet, bald in Luft zerfließend,
Umher verbreitend duftig kühle Schauer.
Der spiegelt ab das menschliche Bestreben.
Ihm sinne nach, und du begreifst genauer:
Am farbigen Abglanz haben wir das Leben.

Goethe Faust II

Hay dias

"Hay noches que ni el más ingenioso torturador podría haber inventado.Sale uno deshecho, estupidizado, perdido. Sin recuerdos ni presentimientos, y sin saber siquiera quién se es.Y entonces es cuando el día parece inútil, la luz perniciosa y más opresora aún que las tinieblas."

Robbed from C. Rivera

Monday, 29 October 2007

Bávaro genuino


Game/Jogo/Spiel

Vou-me fazer ao caminho. Até à perca da lingua mãe.

É hoje que inauguro este jogo que já trago em mente há algum tempo. A tradução directa, palavra por palavra de expressões idiomáticas acontece a qualquer um que se vê na complexidade delicada de lidar com mais de uma língua na vida, no dia-a-dia... Portanto está aqui este jogo linguístico de tentar perceber o que significam as seguintes expressões:

1. Ich mache das mit einem Bein auf dem Rücken.

2. Eu faço isso com um dedo no nariz.

3. Puxado pelos cabelos.

4. I hang me up.

5. There you lay down.

6. Estou completamente pronta!

7. Chutem-os para o vento!

8. O rabo abana com o cão.

9. Escorrega-me pelas costas.

10. Isto é-me salsicha.

11. Isto está no balde.

12. Du wirst hier her kommen.

13. Então espera.

14. Denkst du an den Tod vom Lamm?

15. There I see black.

16. For me this is equal to a liter.

17. Aí riem as galinhas.

18. Amaldiçoado e cosido!

19. Ich bin wie ich gehen werde.

20. Wie der andere sagt.

21. João olha para o ar.

22. Fico raposa-diabo selvagem.

Quem adivinhar ou se lembre de outras... comente aqui! Já está claro que o Álvaro é que as vai adivinhar todas...
Peço desculpa desde já pelas expressões menos usuais ou higiénicas que resultam destas traduções... ;)

OMC na Poesia popular

Tesourinho encontrado em: http://www.cna.pt/dossieromc.htm

Official: organic really is better

The Sunday Times
October 28, 2007

THE biggest study into organic food has found that it is more nutritious than ordinary produce and may help to lengthen people's lives.
The evidence from the £12m four-year project will end years of debate and is likely to overturn government advice that eating organic food is no more than a lifestyle choice.
The study found that organic fruit and vegetables contained as much as 40% more antioxidants, which scientists believe can cut the risk of cancer and heart disease, Britain’s biggest killers. They also had higher levels of beneficial minerals such as iron and zinc.

Professor Carlo Leifert, the co-ordinator of the European Union-funded project, said the differences were so marked that organic produce would help to increase the nutrient intake of people not eating the recommended five portions a day of fruit and vegetables. “If you have just 20% more antioxidants and you can’t get your kids to do five a day, then you might just be okay with four a day,” he said.
This weekend the Food Standards Agency confirmed that it was reviewing the evidence before deciding whether to change its advice. Ministers and the agency have said there are no significant differences between organic and ordinary produce.
Researchers grew fruit and vegetables and reared cattle on adjacent organic and nonorganic sites on a 725-acre farm attached to Newcastle University, and at other sites in Europe. They found that levels of antioxidants in milk from organic herds were up to 90% higher than in milk from conventional herds.
As well as finding up to 40% more antioxidants in organic vegetables, they also found that organic tomatoes from Greece had significantly higher levels of antioxidants, including flavo-noids thought to reduce coronary heart disease.
Leifert said the government was wrong about there being no difference between organic and conventional produce. “There is enough evidence now that the level of good things is higher in organics,” he said.

Friday, 26 October 2007

Extinction of experience

Facing the Global Extinction Crisis: Why Environmentalism isn’t enough.
CES talk by Terry Glavin

The extinction of species occurring nowadays has to be looked at not only from the environmentalist perspective, but also from a social one, not only regarding its causes but very much regarding its consequences. The extinction of species goes hand in hand with the extinction of stories, local ecological knowledge and complete cosmologies. Species extinction is accompanied by the extinction of languages. This matters from a social perspective, because it is in the diversity of languages and ideas that resilience of human communities lies.

Terry Galvin made his stance against the apocalyptic thinking that humanity will become extinct, and pointed out that the current 6th extinction crisis should rather provoke reflection and a realistic focus on how we want to live. In accordance to the Biophilia hypotheses and his experience, humans are genetically preconditioned to care for Nature, and human well-being is improved trough ties with nature.

Environmentalism concerned with the preservation of individual species only, and not taking the social sides to it into account, has damaged many communities, such as whale hunting Norwegian communities and Canadian Inuit seal hunting communities. Environmentalism sometimes holds people back from pursuing their culturally embedded, sustainable livelihood strategies.

Wednesday, 24 October 2007

7 fadas me fadaram

Sete fadas me fadaram
Sete irmãos m´arrenegaram
Sete vacas me morreram
Outras sete me mataram

Sete setes desvendei
Sete laranjinhas de oiro
Sete piados de agoiro
Sete coisas que eu cá sei

Sete cabras mancas
Sete bruxas velhas
Sete salamandras
Sete cega-regas
Sete foles
Sete feridas
Sete espadas
Sete dores
Sete mortes
Sete vidas
Sete amores

Sete estrelas me ocultaram
Sete luas, sete sóis
Sete sonhos me negaram
Aqui d´el rei é demais

Zeca Afonso, claro

Monday, 22 October 2007

Trost

"Se não tivesses tantas perguntas e dúvidas não te queriamos cá a fazer doutoramento" disse-me hoje a minha orientadora! ;)

Sunday, 21 October 2007

Farm viability & legal issues

Farmers have to pay very high contributions to the Social Security System, i.e. ca. 150€ per month, regardless of their income. Subsistence farmers said that they have to take up jobs outside the farm only to be able to make the compulsory payment for the social security service.

In the new policy plan for Agriculture and Rural Development - PDR 2007-2013, special support is secured for farmers in Least Favoured Areas, especially hill farmers. However, only farms exceeding a size of 1 ha of UAA are eligible for the subsidy: a size that excludes most of the farmers needing support.

Causes & Consequences Agricultural Marginalisation

As always, when you click on the image you can see it in original size. I tried to compile the complexity going on, considering marginal mountain areas in Portugal.

Lilith

"Der Mond beschreibt eine Ellipse, in deren Brennpunkt die Erde steht. Eine Ellipse hat aber zwei Brennpunkte, und den anderen, leeren Brennpunkt der Mondellipse bezeichnet man als den dunklen Mond, den schwarzen Mond oder Lilith."

Joëlle de Gravelaine

Saturday, 20 October 2007

Não há condições

Hoje em dia, quer-me parecer, um gajo tem que sentir-se mal e envergonhado se faz coisas por bem, devido à pressão do grupo e da comunidade. Um gajo que não bebe é mal visto. "Tu não vales nada pá! Nem és homem pra beber!" Deve ser-se mesmo mesquinho e limitado se não se deita papéis pela janela do comboio.

No último programa "Moral maze" da BBC 4 falaram sobre drogas. Penso que se tem que criar um clima de imoralidade e desdenho em relação a estas, em vez de as deixar ser um tabu apetecível.

Mas porque é que o clima de imoralidade e desdenho, a condenação social, está mais virada para o que é bom e útil?

Não faço a mínima ideia, mas permitam-me fazer umas especulações espontâneas.
Surge na minha cabeça Dieter Duhm's "Medo no capitalismo" (publicado ainda antes de este senhor se ter virado para o amor livre, julgo). Foramos educados com tantas prescrições pseudo-morais inúteis, sem reflexo nas necessidades de convívio pacífico no mundo real, que nos revoltamos contra estas leis de carácter opressor sem significado. Numa era em que o materialismo só começa a ser questionado, acrescenta-se ainda que só se acredita no "bem" justificável em termos simples de causa-efeito. Se o efeito de uma acção imoral não for imediatamente revelado na sua dimensão negativa, porque nos perocupar? Deitar o meu lixo para o mato, o que tem de mal? Qual o efeito imediato negativo, palpável, que se segue? Nenhum, segundo os ofensores: "Não gostas de ver, é?"

Todo o conceito de moralidade apareceu-me até agora como algo pouco respeitado e aceite. Prefigura-se me como algo absolutamente simples: respeitar a Vida, muito embora não a compreendamos. Não causar danos nem a sí nem a outros, respeitar o direito pela auto-determinação consciente e informada de cada um.

Se o gajo não sabe, pode ser informado. Mas se não perceber o conceito de moralidade, o que se poderá fazer? Julgo que a moralidade se pode desenvolver na confrontação com a realidade, mas talvez nem tanto na nossa relaidade do dia-a-dia que não se preocupa connosco. Mas numa realidade mais limitada e segura, em que as nossas acções contam. Mais uma tarefa para quintas curativas, talvez (já que poucas famílias parecem querer pegar nela).

De qualquer forma parece que quem tenta seguir a sua intuição moral é enfrentado com desdenho. E além da dificuldade de decidir por sí o que é moral, defensável, ainda tem que desenvolver uma segurança pétrea para não se deixar confundir pelos "buuhs", "és um marrão!", "não sabes curtir a vida", "não sabes o que é bom!", "és um chato!" etc, etc, etc.
"Nunca experimentaste fumar?! Nem tabaco? - tu não és deste mundo, seu copinho de leite!" "Tens medo do castigo da mamã, é?"

"A vida é bela, nós é que damos cabo dela." :*)

P.S. Na sua Filosofia da liberdade (1918), Steiner explica a questão da moralidade bem explicadinha.

Indicador

Quando vejo os carrinhos de compras espalhados pela paisagem penso sempre "Ai! Em Portugal não há nada disto!..." Isto é que é um luxo! O verdadeiro luxo, de se poder deitar fora matéria prima por gozo apenas, e não por esta se ter tornado inútil. Viva o well-fare state e a Wegwerfgesellschaft!

"Nur wer im Wohstand lebt, lebt angenehm."(Berthold Brecht)

Friday, 19 October 2007

Geada

Hoje caiu a primeira geada deste Outono nos campos em volta da Universidade. Na semana passada vi um bando de Vanellus vanellus, estao a chegar do norte.

Tuesday, 16 October 2007

Help! / Socorro!

After reading the one or the other article on biodynamics, now I caught myself in the attempt of writing the idiom "life forces" into my academic annual report. And I'm not studying in Kassel, FB11, no. Should I write it anyways, or find another way of saying what I want to say?

What have you done under similar circumstances?
...write it anyways? Put a footnote?

Saying an Undine told me about it? (Undine, 2006, pers comm.) :)

Es ist Zeit / It is time

Corona

Aus der Hand frißt der Herbst mir sein Blatt: wir sind Freunde.
Wir schälen die Zeit aus den Nüssen und lehren sie gehn: die Zeit kehrt zurück in die Schale.

Im Spiegel ist Sonntag,
im Traum wird geschlafen,
der Mund redet wahr.
Mein Aug steigt hinab zum Geschlecht der Geliebten:
wir sehen uns an,
wir sagen uns Dunkles,
wir lieben einander wie Mohn und Gedächtnis,
wir schlafen wie Wein in den Muscheln,
wie das Meer im Blutstrahl des Mondes.

Wir stehen umschlungen im Fenster,
sie sehen uns zu von der Straße: es ist Zeit, daß man weiß!
Es ist Zeit, daß der Stein sich zu blühen bequemt,
daß der Unrast ein Herz schlägt.
Es ist Zeit, daß es Zeit wird.
Es ist Zeit.

Paul Celan

Muita profundo II

Estas são minhas:

"Avoiding the unavoidable"
e
"Only he who truly searches can appreciate what he can find"

Monday, 15 October 2007

Rezar pela reforma da PAC não chega

Jerónimo de Sousa no discurso sobre "A Agricultura e o mundo Rural"

"É possível e é preciso mudar de rumo. Mas aqui também existe uma quota-parte de responsabilidade de todos e cada um. Para outro rumo na política agrícola é indispensável a intervenção e a luta organizada dos agricultores. Podem rezar à Senhora do Sameiro ou, em situações de aperto, apelar a Santo Agostinho ou a São Jerónimo quando troveja e cai pedra. Rezem mas vão lutando! Porque sois os melhores portadores e lutadores das vossas causas e aspirações. Contando connosco nas horas boas e nas horas más!"

http://www.pcp.pt/index.php?option=com_content&task=view&id=29760&Itemid=381

Friday, 12 October 2007

Der Schatzgraeber

Arm am Beutel, krank am Herzen,
Schleppt ich meine langen Tage.
Armut ist die größte Plage,
Reichtum ist das höchste Gut!

Und, zu enden meine Schmerzen,
Ging ich, einen Schatz zu graben.
"Meine Seele sollst du haben!"
Schrieb ich hin mit eignem Blut.

Und so zog ich Kreis um Kreise,
Stellte wunderbare Flammen,
Kraut und Knochenwerk zusammen:
Die Beschwörung war vollbracht.

Und auf die gelernte Weise
Grub ich nach dem alten Schatze
Auf dem angezeigten Platze;
Schwarz und stürmisch war die Nacht.

Und ich sah ein Licht von weiten,
Und es kam gleich einem Sterne
Hinten aus der fernsten Ferne,
Eben als es Zwölfe schlug.

Und da galt kein Vorbereiten:
Heller ward's mit einem Male
Von dem Glanz der vollen Schale,
Die ein schöner Knabe trug.

Holde Augen sah ich blinken
Unter dichtem Blumenkranze;
In des Trankes Himmelsglanze
Trat er in den Kreis herein.

Und er hieß mich freundlich trinken;
Und ich dacht: es kann der Knabe
Mit der schönen lichten Gabe
Wahrlich nicht der Böse sein.

"Trinke Mut des reinen Lebens!
Dann verstehst du die Belehrung.
Kommst, mit ängstlicher Beschwörung,
Nicht zurück an diesen Ort.

Grabe hier nicht mehr vergebens:
Tages Arbeit! Abends Gäste!
Saure Wochen! Frohe Feste!
Sei dein künftig Zauberwort."

J.W. Goethe

Wednesday, 10 October 2007

Bankrupt Portugal

Last summer a group of citizens organised a protest when the prime minister went to the inauguration of the new highway A24, because they haven't received any compenastory payment for the common lands taken away for building the street. The prime minister José Sócrates said that the country is bankrupt and generosity was needed from the people.

“O Secretariado dos Baldios de Trás-os-Montes e Alto Douro protestou, no passado dia 24 de Junho, aquando da inauguração de mais um troço da A24 pelo Sr. Primeiro Ministro, contra a falta de pagamento das indemnizações pela expropriação de terrenos comunitários para a construção desta auto-estrada.
Neste protesto foi entregue um documento ao Sr. Primeiro Ministro, com todo o historial deste processo, o qual respondeu, que “o Estado está falido e que é preciso grandeza”.
O Secretariado de Baldios de Trás-os-Montes e Alto Douro considera que paciência e grandeza é aquilo que têm demonstrado ao longo de todo o processo, e que espera que o Estado cumpra com
os seus compromissos, afirmando que, caso o problema não seja resolvido, agendará outros protestos, para além da via judicial.”
http://www.cna.pt/vozdaterra/33_vtjunho2007.pdf

Tuesday, 9 October 2007

Economia pouco económica

Pensar que a economia que temos é económica é um engano.
Temos que distinguir o que é económico daquilo que gera lucros. Assim, transportar alimentos à volta do mundo pode resultar em lucros, no entanto é absolutamente anti-económico, pois a energia gasta na produção e no transporte é muito superior da quantidade de energia obtida pelo consumo do alimento pelo consumidor final.

Os custos escondidos (as externalidades) que resultam de uma economia pouco enconómica têm que ser suportados pela sociedade em geral.

Groh e MacFadden (1997) Farms of Tomorrow revisited.

Walden

Another book link: Walden from Henry David Thoreau, in English:
http://thoreau.eserver.org/walden00.html
Tha rather anti-social guy builds a hut for himself in the woods next to a fascinating lake and reflects about what a good life is about, practising voluntary simplicity...
Thoreau is key deep ecology reading.

CSA talk

In the Terres de liens website they use the term "consom-acteurs" to make it clear that consumers are actively engaged and not just passive hunter-gatherer like supermarket food consumers.

Monday, 8 October 2007

SLOW TRADE – SOUND FARMING

Regras de comércio para um futuro para a agricultura, a nível global

Coordenadores: Wolfgang Sachs e Tilman Santarius
Instituto de Wuppertal, para o Clima, Ambiente e Energia.

Segue uma tradução informal do sumário executivo, sendo qualquer falha na tradução ou na interpretação da minha responsabilidade. Uma edição sumária em português está planeada pela Miseror, estando previsto estar disponível no final de 2007 no website http://www.ecofair-trade.org


Prefácio:

Numa altura em que os problemas da ordem do Mercado mundial se tornam cada vez mais evidentes, especialmente no sector da agricultura, publicamos esta proposta para uma reforma profunda do sistema de comércio agrícola internacional.
A designada “Ronda de negociações de Doha” da Organização Mundial do Comércio (OMC) para a continuação da liberalização do tráfego de bens está ameaçada de falhar, sobretudo porque a UE e os EUA se recusam a ceder às exigências dos países em vias de desenvolvimento, no sector agrícola. Ao mesmo tempo, exigem uma abertura crescente dos mercados agrícolas destes países.
Simultaneamente, os prognósticos multiplicam-se de que quem irá ganhar com as negociações da Ronda de Doha serão os países industrializados e alguns países exportadores do Sul. A maioria dos países pobres, no entanto, iria perder com os resultados das negociações de liberalização do comércio.
Uma observação ao nível supra-estatal permite concluir que a liberalização do mercado sobretudo beneficiará os agentes económicos mais fortes, aumentando as suas vantagens no mercado às custas dos economicamente vulneráveis – tanto no Sul como no Norte.
...

Sumário:

No centro das negociações da Organização Mundial do Comércio (OMC) sobre o acordo multilateral para a economia mundial está a reforma do comércio agrícola. Mas as inovações pretendidas não prometem ser positivas para o futuro da agricultura familiar deste mundo. Antes pelo contrário, irão piorar a situação desesperante dos pequenos agricultores e deteriorar ainda mais os ecossistemas. Para mais, irão dificultar o aumento da produtividade agrícola na era “pós-combustíveis fósseis” que se aproxima.
Com a sua fixação no desmantelamento de taxas e subvenções, os actores do Norte e de alguns países grandes do Sul, deixam completamente de lado considerações sobre agricultura familiar e as zonas rurais expostas a pobreza, danos ambientais e o escasseamento do petróleo. Enquanto aos agricultores de todo o mundo é exigido riqueza de ideias e empreendedorismo para superar estas dificuldades, o caminho escolhido pela política comercial e pelos programas de ajustamento estrutural (SAP’s) leva no sentido contrário, ou seja, no de piorar estes problemas.
Por este motivo, este relatório pretende mostrar perspectivas políticas e instrumentos para um sistema de comércio em que se dá uma hipótese real aos pobres, que se põe ao serviço da conservação da natureza e que ajude a agricultura a fazer a transição para a era solar.

Após a conferência de ministros em Cancún em Setembro de 2003, a Fundação Heinrich Boell e a Miseror (ambas com sede na Alemanha mas com gabinetes e parceiros a nível mundial) juntamente com a moderação do Instituto de Wuppertal, decidiram criar o diálogo EcoFair Trade (Comércio Justo e Ecológico). O presente documento é o resultado destes diálogos e de encontros em todos os continentes, realizados com a participação de um grande número de organizações da sociedade civil. Os próprios 12 autores são oriundos da América, Austrália, África, Ásia e Europa, de pequenos países e grandes nações comerciais, do Sul e do Norte; trabalham como peritos em Organizações Não Governamentais (ONG’s), como multiplicadores para a agricultura sustentável a nível dos grass-roots, como investigadores em Universidades ou como consultores políticos para parlamentos e governos.
Em referência ao movimento internacional “Slow food”, que luta por alimentos bons, saudáveis e justos, este relatório foi entitulado “Slow Trade – Sound Farming”. Assim o título já transmite a mensagem de que um regime comercial que quer servir ao Homem e à biosfera terá que desacelerar e retroceder na dinâmica da concorrência orientada para o poder e o rendimento.

Na primeira secção são apresentados 7 princípios que devem estar subjacentes a uma nova ordem do comércio agrícola. Estes princípios baseiam-se na ideia de que o interesse público deve ser posto acima do interesse individual e de que os mercados terão que ser configurados pela política.

1. O Princípio da multifuncionalidade realça o facto de que os sistemas agrícolas estão interligados com sistemas sociais e naturais;

2. O Princípio dos direitos Humanos reforça a ideia de que os acordos sobre o comércio devem beneficiar as pessoas mais desfavorecidas do mundo;

3. O Princípio da preservação do ambiente lembra que a actividade agrícola, além de produzir alimentos, recursos energéticos e fibras, tem a função de regenerar solos, água e biodiversidade;

4. O Princípio da soberania democrática aponta para o direito dos cidadãos em exprimir as suas preferências colectivas e de se envolverem activamente nas políticas de comércio e de investimento que os afectam;

5. O Princípio da responsabilidade extraterritorial refere-se à responsabilidade global – em primeiro lugar dos países poderosos – de não provocar danos a cidadãos que ficam fora das suas fronteiras estatais;

6. O Princípio da subsidiariedade económica implica que as trocas comerciais no mercado alimentar se devem realizar preferencialmente a nível local e nacional e que as trocas comerciais transnacionais devem ter apenas uma função suplementar;

7. O Princípio da justiça / fairness requer que os desequilíbrios existentes sejam balançados a favor dos agentes económicos mais fracos ou que exista uma discriminação positiva para estes, pois o estabelecimento de oportunidades iguais apenas irá favorecer os mais fortes.


Na segunda secção são apresentados os problemas mais graves resultantes da desregulamentação do mercado agrícola.

O capítulo Primazia do ponto de vista económico aponta para o facto de que as decisões feitas apenas sob o ponto de vista económico sofrem de uma visão de curto prazo. Este ponto de vista encara a agricultura apenas como uma máquina geradora de dinheiro, que deve acelerar o crescimento económico e trazer divisas. O papel da agricultura, de facto, é muito mais do que os simples números no papel; a agricultura não é nada menos do que o suporte da vida no campo, assim como também é um aspecto inseparável da biosfera. Quando estes aspectos são ignorados sistematicamente, a política comercial acaba necessariamente por tomar decisões nefastas.

O capítulo Direito de existência em áreas marginais trata mais detalhadamente das consequências fatais que a visão de curto prazo, anteriormente delineada, tem sobre os pequenos agricultores e comunidades rurais em muito países. Não é raro que a população rural seja expulsa do seu solo e das suas terras e atraída para os centros urbanos; globalização e liberalização do mercado são co-responsáveis pela miséria da agricultura familiar.
Os autores deste relatório distanciam-se da concordância silenciosa dos defensores da liberalização do mercado de que a agricultura familiar é uma coisa do passado. Pelo contrário, são os pequenos agricultores e a agricultura familiar que constituem a chave para maior produtividade, sustentabilidade e emprego na agricultura.

O capítulo Natureza marginal mostra que a visão de túnel económica tem consequências potencialmente perigosas para a natureza e a agricultura, dado que um aumento do comércio transnacional de bens agrícolas resulta geralmente na expansão de monoculturas e da agricultura industrializada, com a sua sede por terra e água. Além disso, o próprio futuro da agricultura é ameaçado se as bases ecológicas da produção agrícola são continuamente degradadas e quando um pilar fundamental da agricultura industrializada – o petróleo – escasseia.

No capítulo Tomada de posse pelas empresas evidencia-se que a filosofia do mercado livre, que serve de base a negociações sobre agricultura, se baseia na suposição de que o mercado livre é apenas limitado pela intervenção estatal. Mas, de facto, o mercado livre é, pelo menos na mesma medida, constrangido pela formação de corporações multinacionais e o seu poder monopolista no mercado. Onde as empresas multinacionais usam as suas vantagens, os produtores podem não ser limitados por taxas ou subvenções de vender a sua produção, mas por empresas que ditam os preços de mercado e as normas dos produtos. Por isso a desregulamentação dos mercados nacionais interessa às empresas, porque facilita uma nova regulação transnacional à medida dos seus interesses. O desmantelamento de medidas protectoras nas fronteiras nacionais aumenta o poder de empresas transnacionais.

O capítulo Assimetrias duradouras trata das diferenças brutais existentes no actual sistema comercial. O princípio do “tornar igual” através da abolição das barreiras ao comércio, prejudica muito menos países competitivos do que países menos competitivos, porque força os participantes fortes e fracos a jogar no mesmo campeonato. O que na concorrência comercial é designado eufemisticamente “Level-playing field” ou “mesmas condições à partida” é, na realidade, um regulamento para um jogo extremamente injusto, que facilita a jogada de países e empresas poderosas. Sob estas condições, a liberalização do mercado não trouxe a muitos países os resultados desejados em termos de transformação da sua agricultura para a competitividade no mercado global. Sendo assim, não é suficiente corrigir as regras do comércio apenas um pouco, porque o comércio livre geralmente “passa a bola” aos mais fortes. Por isso, as regras de comércio só podem ser consideradas justas quando os fracos são privilegiados em relação aos fortes.


A terceira secção apresenta soluções que incluem propostas para a reorientação do comércio agrícola, assim como instrumentos para guiar o mercado internacional de produtos agrícolas. As propostas fundamentam-se na ideia de que a preocupação com a dignidade Humana e a integridade da Biosfera têm que ser parte da arquitectura das regras do comércio. É expressão de irresponsabilidade estrutural quando a OMC limita a sua competência a questões de comércio e deixa para governos nacionais tratarem de temas sociais e ambientais, enquanto simultaneamente reduz a sua autoridade de forma crescente através das políticas de desregulamentação exigidas.

A primeira proposta é: alargar o espaço de manobra da política nacional.
Após as políticas nacionais terem que abdicar de competências durante as últimas décadas, agora os estados e as autarquias têm que receber de novo o direito de influenciar as trocas comerciais de acordo com as suas preferências. Sobretudo o direito de conduzir a importação de bens, serviços e investimentos tem que ser restabelecida.
Como a agricultura é a principal fonte de rendimento da maioria das pessoas dos países em vias de desenvolvimento, a liberalização de importações tem que retroceder, se a base para a sobrevivência e a segurança alimentar no interior do país querem ser asseguradas. Por isso, os países precisam de espaço de manobra dentro das regras internacionais de comércio, para proteger o mercado interno de ser inundado por bens importados, através de uma política de importações específica, constituída por taxas, tarifas e mecanismos de controlo de quantidade e preços.
Os países também precisam de adquirir competências para, por exemplo, influenciar os investimentos estrangeiros, regular actividades de corporações multinacionais, impor regulamentos estritos sobre qualidade e segurança alimentar ou requisitos em matéria ambiental e desenvolver programas de apoio específicos para assegurar uma economia rural sã.
Limitações ao comércio livre são bem-vindas se têm em vista o bem público.

Segundo, a agricultura só pode ser bem sucedida na criação de riqueza privada e pública, se a segunda proposta está estabelecida: investir na multifuncionalidade. Para assegurar a multifuncionalidade ecológica e social, a agricultura necessita de apoio. Por isso, é um erro exigir a abolição de todos os instrumentos de apoio à agricultura a nível interno. O tema da extensão e da composição dos programas para investimento e regulamento da produção agrícola é o que necessita ser discutido, e não a abolição completa da intervenção estatal.
O apoio à agricultura pode ser institucional ou financeiro. Apoios institucionais correspondem a política de impostos, disponibilização de informações sobre saber-fazer, estabelecimento de infraestruturas ou financiamento de investigação – tudo medidas que têm um papel chave na transição para a agricultura sustentável. A nível financeiro, pagamentos directos a agricultores poderiam ser considerados, no entanto, apenas seguindo pressupostos rígidos. De acordo com o Princípio da responsabilidade extraterritorial, o apoio à agricultura não pode comprometer as hipóteses de outros em mercados externos. Subsídios à exportação não são de algum modo defensáveis. Se não se decidir proibir absolutamente o dumping de produtos agrícolas (venda de produtos abaixo do seu preço de custo), ao menos um sistema internacional de “alerta de dumping” deveria ser estabelecido, de modo a avisar os países importadores de quando as importações põem em risco a segurança dos meios de vida dos agricultores.

Em terceiro lugar, os agricultores em todo o lado, sejam ricos ou pobres, do Sul ou do Norte, sofrem como resultado dos preços extremamente baixos e flutuantes da sua produção. Estabilizar os preços é, portanto, a única medida mais significativa para assegurar um rendimento para os agricultores e travar o declínio do meio rural.
Por causa das características específicas da agricultura como sector económico, a oferta geralmente só responde devagar e de forma insuficiente a alterações de preços. Gestão da oferta neste sentido é um instrumento interessante para manter preços adequados, tanto para os produtores, como para os consumidores. Em muitos países já se pratica a gestão da oferta dos produtos agrícolas com o objectivo de harmonizar a produção com a procura no mercado. A chave para o sucesso é um mecanismo de adaptação flexível que no cálculo das quotas e estabelecimento do preço para o produto tem em conta a capacidade produtiva e a procura no mercado. Se programas deste tipo têm um enquadramento legal e está garantido que todos os intervenientes têm direito a contribuir, se existem mecanismos de fiscalização e sanção para assegurar a obedeciência às regras, a gestão da oferta pode prevenir a queda dos preços no mercado agrícola.

Uma quarta regra também será essencial: Introdução de normas de sustentabilidade. Pois normas de produção e processamento são instrumentos importantes de uma política que pretende harmonizar os interesses privados de lucro com a preservação da biosfera e com direitos sociais fundamentais.
De facto, até agora são sobretudo os desrespeitadores que beneficiam com o desmantelamento das medidas proteccionistas. Enquanto os custos de produção não têm que ter em conta a conservação dos bens públicos, o mercado livre continua a acelerar a marginalização dos pobres e a degradação da biosfera.
A participação no mercado internacional deveria ser entendida como um privilégio, que em contrapartida exige a internalização dos custos sociais e ecológicos. Por isso, o primeiro passo consistiria no desenvolvimento independente, nos vários países, de normas de sustentabilidade e de programas de certificação para agricultura e transformação; para tal, a experiência com a certificação do modo de produção biológico poderia servir como exemplo.
Num segundo passo, os produtores nacionais teriam que passar a ser obrigados a cumprir as normas nacionais. Depois poderiam ser definidos critérios de qualidade para permitir um acesso privilegiado ao mercado, dos produtos produzidos de forma sustentável. Para os programas de acesso privilegiado ao mercado deveria haver “normas transversais” a nível multilateral, em que as regras para o estabelecimento de normas seriam definidas de forma participativa e consensual.
Simultaneamente, um gabinete de resolução de conflitos resultantes de normas poderia facilitar a formação de compromissos no caso da existência de disparidades entre as normas de diferentes países, que pretendem realizar trocas comerciais. Os lucros dos países mais ricos obtidos em tarifas poderiam fluir para um fundo internacional para o desenvolvimento rural sustentável, com apoio do qual os países subdesenvolvidos poderiam converter a sua agricultura para modos de produção sustentáveis e apoiar as suas exportações.

A Democratização das cadeias de mercado representa o quinto ponto de entrada para a reforma, dizendo respeito especificamente ao facto de que frequentemente não são os governos, mas sim as empresas que distorcem o mercado, em prejuízo dos pequenos produtores locais e de pequenas e médias empresas. A ideia principal consiste em dar mais poder a produtores e empresas, de acordo com uma lógica de proximidade e, simultaneamente, assegurar que intervenções de empresas estrangeiras sejam controladas a nível local por observatórios de concorrência, sujeitando-as também às normas nacionais da política de investimento. Para estes fins são propostos três instrumentos multilaterais que permitem influenciar o comportamento das empresas: primeiro, deve ser criada uma base de dados aberta sobre as principais empresas do sector agro-alimentar, em que constasse a sua dimensão, extensão, fusões, compras e joint ventures (investimentos realizados por 2 ou mais empresas em outros países); segundo, a implementação de um observatório anti-monopolista, que acompanhasse os processos de fusões e compras e interviesse no caso de as grandes empresas abusarem do seu poder de mercado; e, terceiro, a criação de um conjunto de comissões para a justiça no comércio, para fiscalizar acordos e contratos internacionais dos diversos actores envolvidos numa mesma fileira, com o objectivo de assegurar a redistribuição justa dos lucros. Além disso, medidas para a re-regionalização das trocas comerciais deverão ser aconselhadas, incluindo estratégias para a maximização do valor acrescentado no local, em que será exigido às empresas que comprem preferencialmente a produção local e que considerem transformadores e fontes de escoamento locais.

E, finalmente, o capítulo Equilibrar assimetrias trata de propostas a acesso a mercados, para a política de exportação, com o objectivo de fortalecer a posição dos pequenos agricultores perante correntes internacionais de comércio. No entanto, é duvidoso se o mercado livre – assumindo que os países do Norte põem um fim ao seu proteccionismo – realmente estabelecerá medidas justas e condições de partida iguais para todos, pois as diferenças entre países e regiões são simplesmente demasiado grandes.
Apesar de toda a atenção que se dá ao aumento das exportações, os factos de que a maioria dos produtores, e sobretudo os pequenos agricultores, geralmente não beneficiam de forma alguma das mesmas e que causam graves custos ambientais, são frequentemente ignorados. Por isso, neste relatório foram formuladas políticas de exportação sustentável. Uma política deste tipo dá primazia à segurança alimentar nacional em relação a exportações, e dá primazia à produção para mercados locais e nacionais em relação à produção para mercados estrangeiros. No sentido de assegurar mais igualdade entre o tratamento dos países, os países economicamente mais fracos precisam de ter um tratamento preferencial, em vez de terem apenas os mesmos direitos. De acordo com o Princípio da justiça, é necessário que o tratamento preferencial passe de uma cedência transitória – tal como acontece actualmente – para uma característica sistemática do regime comercial.
São propostas regras de acesso ao mercado, compostas por uma combinação de taxas e quotas. De acordo com estas, normas de qualidade definem o valor das taxas de cada produto, enquanto para cada nível de taxas seriam estabelecidas quotas para a importação de países economicamente desfavorecidos, no caso que o país deseje importar um dado produto.
Finalmente, também não é uma lei imutável que o comércio internacional tenha que ser orientado exclusivamente para a maximização do lucro; o objectivo também pode ser reciprocidade e solidariedade. O que aconteceria se os países do Sul saíssem da competição global no mercado e, em vez disso, estabelecessem contratos comerciais baseados na solidariedade?


Em conclusão, a seccção 4 descreve em termos esquemáticos como seria a arquitectura do comércio agrícola na era pós-OMC.
Os autores deste documento estão convencidos de que um acordo multilateral sobre o comércio é indispensável. A OMC, entretanto, na sua configuração institucional actual, não preenche os requisitos para realizar as funções necessárias. Consequentemente, a OMC terá que se reinventar a si própria ou ceder a institucionalização de regras sobre o comércio agrícola a outras instituições mais competentes, no âmbito das Nações Unidas.
Tendo em conta as análises e propostas deste documento, a nova instituição terá que ter pelo menos as seguintes cinco secções: secção para a coordenação, garantia de qualidade, gestão de preços, observatório de concorrência e resolução de conflitos. Assim, estas secções cobririam as funções de uma organização do comércio que trabalha realmente em prol do interesse público: plataforma para negociações entre estados, normas de qualidade mínima para os fluxos de mercadorias baseadas em normas multilaterais, controlo dos preços de mercado internacionais através de um mecanismo de gestão da oferta baseado na cooperação, controlo da concorrência através de medidas anti-trust (anti-monopólio) e um mecanismo para a resolução de conflitos sobre trocas comerciais.
Se actualmente o desmantelamento de entraves ao comércio livre é a preocupação principal no comércio mundial para criar um mercado mundial unificado, a instituição que precisamos para o futuro terá que se concentrar na coordenação dos diversos interesses nacionais como centro focal do seu trabalho. O seu objectivo principal, deste modo, consistirá em equilibrar interesses de comércio e não em desregulamentar o comércio.



O relatório completo está disponível em Espanhol, Alemão e Inglês no seguinte website:
http://www.ecofair-trade.org/