Friday, 29 February 2008

Recolha de dados I

Vou fazer as seguintes recolhas de dados nos próximos meses:

1 – Recolha de informação sobre pessoas que queiram iniciar a actividade agrícola ou o tenham feito recentemente;
2 – Questionário a agricultores comerciais nas áreas de montanhas do interior centro/norte;
3 – Análise das perspectivas dos actores locais sobre o papel da agricultura nas regiões marginalizadas.
3.1 – Histórias de vida em relação às mudanças no sector agrícola;
3.2 – Exercício participativo tipo “melhor/pior/previsão/futuro ideal”
3.3 – Entrevistas a agentes de desenvolvimento local;
3.4 – Questionário a consumidores sobre opções domésticas e perspectivas sobre produtos agro-alimentares.

Thursday, 28 February 2008

Post-autistic economics

"Theories, scientific and otherwise, do not represent the world as it is but rather by highlighting certain aspects of it while leaving others in the dark. It may be the case that two theories highlight the same aspects of some corner of reality but offer different conclusions. In the last century, this type of situation preoccupied the philosophy of science. Post-Autistic Economics, however, addresses a different kind of situation: one where one theory, that illuminates a few facets of its domain rather well, wants to suppress other theories that would illuminate some of the many facets that it leaves in the dark. This theory is neoclassical economics. Because it has been so successful at sidelining other approaches, it also is called “mainstream economics”. "

Encontro de Fitosociologia

Associação Lusitana de Fitossociologia
Escola Superior Agrária de Coimbra, 24-27 de Junho de 2008
Soa me bem! Vais lá ter?

Alles gibt sich

Alles gibt sich und ergibt sich
musst es nur erwarten können
und dem werden deines Glückes
Jahr und Tage reichlich gönnen.

Bis du eines Tages jenen
reifen Duft der Körner spürest
und dich aufmachst und die Ernte
in die tiefen Speicher führest.

Christian Morgenstern

Wednesday, 27 February 2008


The beauty of grapes just made me almost faint when i came across some images on the web. So I robbed this one, for you to faint as well.

holzmichel antwort mal anders

Já que estou a perder os escrúpulos, vai aqui mais um favorito meu...

Alvin és a mókusok

E é este é com certeza um dos clips mais sofisticados de toda a internet. Adoro! ;)

Alvin és a Mókusok - Rémálom

Este também tem muito que se lhe diga...

Thriller indiano legendado - Golimar

Não há nada mais absurdo e animador que isto.

No túmulo de C.R.

Quando, despertos deste sono, a vida,
Soubermos o que somos, e o que foi
Essa queda até ao corpo, essa descida
Até à noite que nos a alma obstrui,

Conheceremos pois toda a escondida
Verdade do que é tudo o que há ou flui?
Não: nem na Alma livre é conhecida...
Nem Deus, que nos criou, em si a inclui.

Deus é Homem de outro Deus maior:
Adam Supremo, também teve queda;
Também, como foi nosso Criador,

Foi criado, e a Verdade lhe morreu...
De além do Abismo, Spirito Seu, lha veda;
Aquêm não a há no Mundo, Corpo Seu.

Fernando Pessoa

Tuesday, 26 February 2008

Legítimo: legitimizar o pensamento

O que é bom neste meio académico é que todas as perguntas são legítimas se estão por responder. Não há tabus, coisas que não se perguntam porque não.

Então não é considerado absurdo alguêm ficar enfurecido com uma ideia. Há coisas a descobrir. Também não é absurdo alguêm ter entusaismo por algo a que mais ninguêm liga. É legítimo. É válido investigar o ponto com seriedade.

Isso apazigua-me.

Monday, 25 February 2008

Participação cívica em Maputo

Soa um pouco a anúncio de curandeiro...
Mas o último ponto mostra claramente que se trata do tipo de "participação" em que o participante na decisão não tem voto na matéria... O estilo clássico, portanto, de envolvimento dos cidadãos nas decisões políticas.

Sunday, 24 February 2008

Lieber barfuss

"gehen mit Schuhen ist drüberlatschen"
:) :)

Saturday, 23 February 2008

Greenpeace virtual em Portugal!

Greenpeace chega a Portugal
Depois de pedidos e inscrições de 7000 portugueses
22 de Fevereiro de 2008

A Greenpeace lança hoje um escritório virtual em Portugal. A organização ambientalista Internacional decidiu responder aos pedidos e inscrições de 7000 portugueses através da criação de uma presença constante no país. A primeira campanha é em defesa dos oceanos.
A partir de hoje, os portugueses já podem envolver-se mais directamente com a Greenpeace através do sítio Desde Novembro do ano passado que a Greenpeace Internacional, com a ajuda de uma fundação, tem uma equipa dedicada a Portugal. Para o arranque das actividades, já está disponível um portal em português que incluí páginas sobre a instituição, informação nacional e internacional, vídeos e imagens, mailing list, newsletter, ciber acções e um espaço reservado à imprensa.

Outragingly biased news on GMO's

The next green revolution Feb 21st 2008 NEW YORK
From The Economist

Europe may not like it, but genetic modification is transforming agriculture

FOR a decade Europe has rebuffed efforts by biotechnology firms such as America's Monsanto to promote genetically modified crops. Despite scientific assurances that genetically modified organisms (GMOs) are safe for human consumption, and a ruling by the World Trade Organisation against national import bans in the European Union, many Europeans have yet to touch or taste them. But that may soon change, according to Iain Ferguson, boss of Tate & Lyle, a British food giant. "We sit at a moment of history when GM a fact of life," he said this week. Mr Ferguson, who is also the head of Britain's Food and Drink Federation, argues that because many large agricultural exporters have adopted GMOs, it is becoming expensive to avoid them. Copa-Cogeca, a farmers' lobby, thisweek warned that the rising cost of feed could wipe out Europe's livestock industry unless bans on GMOs are lifted. Meanwhile, European agriculture ministers failed to agree on whether to allow imports of GM maize and potatoes; the decision will now be made by the European Commission, which is likely to say yes. If it does, it will be a victory for Monsanto. But the firm is already enjoying an even sweeter form of revenge: huge commercial success. It has had three straight years of revenue and profit growth, and on February 12th it raised its profit forecast for the fiscal year for the second time in two months. Monsanto made a profit of $993m in the year to August, on revenues of $8.6 billion. The global commodity-price boom helps (see article), but Brett Begemann, a senior executive at Monsanto, insists that it is the firm's advances in GMO technology that are fetching premium prices and will help it to double profits by 2012. The firm's fortunes have been boosted by the success of GMOs outside Europe. A new report from the International Service for the Acquisition of Agri-biotech Applications (ISAAA), a non-profit outfit that tracks industry trends, charts the dramatic growth in the 12 years that GMOs have been commercially available. The area under cultivation increased by 12% last year, to 114m hectares globally. America topped the list, but there is rapid growth in Argentina, Brazil, India and China (see map). Thomas West of Pioneer Hi-Bred, a division of DuPont, says Europe should get on board, as "the train is leaving the station." According to Cropnosis, an industry consultancy, the market for agricultural biotechnology grew from about $3 billion in 2001 to over $6 billion in 2006, and is expected to reach $8.4 billion by 2011. Hans Kast, chief executive of Germany's BASF Plant Science, thinks the figure could reach $50 billion by 2025, as asecond generation of GMO technology, now in the pipeline, reaches the market. Proponents of GMOs are optimistic because a confluence of social, commercial and technological forces is boosting the case for the technology. As India and China grow richer, the world is likely to need much more food, just as arable land, water and energy become scarcer and more expensive. If they fulfil their promise, GMOs offer a way out of this bind, providing higher yields even as they require less water, energy and fertiliser. Early incarnations of the technology, such as Monsanto's Roundup Ready maize and soyabeans, were genetically engineered to be resistant to herbicides and pesticides, making it easier for farmers to control pests without damaging crops. The second generation will have further traits, such as drought resistance, "stacked" on top. Michael Mack, chief executive of Switzerland's Syngenta, reckons that farmers will pay extra for these new features. Moore's law for maize Indeed, farmers can expect ever-faster cycles of product upgrades, thinks David Fischhoff, a senior executive at Monsanto. He likens the industry's situation to the early days of the personal computer, now that the underlying technology is in place. Monsanto predicts that the yield from maize grown in America, which has doubled since 1970, can double again by 2030. Mr Mack draws a similar analogy. "Like in the software industry," he says, "intellectual-property rights give our technology value." Farmers paying big licence fees to use the new technology would no doubt agree. But just as with software, GMOs suffer from piracy. In Argentina and China, the hostile stance toward intellectual-property rights has been blessed by the government itself. The dirty little secret of the software industry, however, was that companies quietly tolerated some piracy on the basis that once customerswent legal, they would probably stick with the products they were already using. The same may be happening with GMOs. Ask Syngenta's boss if he is worried about piracy, and he answers "yes and no". As countries grow richer or embrace WTO rules, he says, their farmers will start paying. Argentina has already headed in that direction, he reckons, and last year his firm set up a joint venture with a Chinese biotechnology centre. The most important reason to think that GMOs have a brighter future, however, comes not from any of the benefits they offer farmers, large though those will be. The big difference with the next generation of technology, argues Mr West of Pioneer Hi-Bred, is that it will also provide benefits to consumers. As an example, he points to his firm's high-oleic soyabean oil, which it expects to have on the market in 2009. Through genetic manipulation, he claims, his firm's researchers have been able to improve soyaoil so that it tastes better, is healthier and produces no trans-fats during cooking. Could such an innovation even persuade sceptical Europeans? The lack of consumer benefits with first-generation GMOs made it easy for activists to whip up opposition. But if future products offer things consumers want, such as healthier food, and address problems that European regulators are worried about, such as obesity and climate change, then GMOs may yet have their day in Europe.

Oh, it can’t get more biased, can it?!
God, if you exist, provoke a localized earthquake below the headquarters of Monsanto and The Economist! Amen.

PS - I must appologize before the people of Britain who have been damaged by the earthquake of the 26th February. As you can well see I had the best of intentions, but my earthshaking practice still has to be improved. Sorry.

Friday, 22 February 2008

What future for Portuguese mountain areas?

The cemetery of Vila Soeiro and the dam of Caldeirão in the background.

Thursday, 21 February 2008

Industrial vs Sustainable agriculture

Industrial agriculture is only more efficient than sustainable or traditional agriculture in narrow calculations which leave out environmental and social costs. Classical yield comparisons narrowly focus on crop output per unit area, assuming that large areas are cropped with the same produce, which is not the case for small-scale and sustainable agriculture. A single measure of yield is not adequate either to measure productivity, because in industrial agriculture yields decline over time due to loss of soil fertility (or they remain stable but with added input costs), while they remain stable or increase with sustainable agriculture. Also, energy efficiency in production is neglected in the classical yield comparisons (sustainable agriculture is much more energy efficient than industrial agriculture).

McAfee, K. (2006) Sustainability and Social Justice in the Global Food System: Contributions from the Yale workshop. In Pimbert, M, (Ed.) Agroecology and the Stuglle for Food Soveregnity in the Americas. London. IIED.

Wednesday, 20 February 2008

Tobacco subsidies continue to shame Europe

posted by Jack Thurston at

The EU will spend the best part of a billion euros between now and 2010 on subsidies to European tobacco farmers. The draft EU budget appropriation for EU tobacco subsidies in 2008 is €293 million, although an announcement this week by the Commission said that the ceiling was somewhat higher, at €337 million. This is well down on previous years, thanks to the reforms agreed in 2004, but it is still shocking that so much money is being spent on subsidising a product that kills 650,000 European citizens a year.
The Commission's announcement also contained news of renewed finance for a Community Tobacco Fund to pay for awareness-raising on dangers of tobacco. The fund could be worth as much as €16 million a year, five per cent of what is spent on tobacco subsidies. According to a Commission impact assessment, tobacco is grown in fourteen of the 27 EU member states although the vast majority is produced in just two countries: Greece and Italy. Tobacco farming in Europe is entirely reliant on subsidies. The Commission estimated that in the three largest producer countries in 2000, subsidies accounted for 98 per cent of the revenue of tobacco farms, a level of dependency far higher than any other agricultural sector. In addition to the tobacco premium, European tobacco farmers also receive very substantial decoupled farm subsidy payments.
The following day, the Commission announced it was setting aside €2 million for aid to the people of Chad, where a humanitarian disaster is fast unfolding.
So here are those figures again:
€337 million in subsidies to European tobacco farmers.
€16 million for a fund to warn Europeancitizens about the dangers of smoking.
€2 million for humanitarian aid to the people of Chad.
It would of course be quite wrong to compare these figures and draw any conclusion about the priorities of the EU budget.

Monday, 18 February 2008

Como estás?

"Estou a viver novas expêriencias com um grau de interesse relativo."

...dito pelo meu velho amigo Cláudio.

Sunday, 17 February 2008


The world is threatening to stun
The inborn forces of my soul;
Now, memory, come forth
From spirit depths, enkindling light;
Invigorate my inward sight
Which only by the strength of will
Is able to sustain me still.

Steiner, "Calendar of the Soul"
Translated by Ruth and Hans Pusch

Friday, 15 February 2008

Advice & absurdity

Once upon a time this observant man went traveling on a train. He was sitting alone in his compartment for a while, but then two people entered; a lady and a gentleman. Soon the gentleman started to behave very ungentelmanish, putting his feet up on the chairs and later lying down to occupy half the places in the compartment and sneezing and so on. Apparently he was sick. The lady was filled with compassion and asked the man about his ailments and, step by step, revealed that she was also suffering from a series of conditions. Now a very lively exchange started. The lady knew all the medicines and sanatoriums where the man could find a cure. The man knew several things he proposed that could help the lady. They took out their notebooks and each of them started to note down the advice of the other for his ailments and giving his advice in turn to the other.

Strangely enough they knew all that could cure the other but nothing that would help themselves.

(I read this story either from Steiner or somewhere in info3.)

Highly pretentious nonsense

Highly pretentious nonsense.

That's what it is. And I'm not going to define what I mean with "it", as I don't want to set limits to your imagination.

Monday, 11 February 2008

Der schwarze Mann

Niemand grüsst mich in der Stadt, niemand schaut mich an.
Niemand fragt um meinen Rat, denn ich lebe im Wald.
Eltern sagen ihren Kindern „Seht! Der da ist der schwarze Mann,
der, des Sonntags, wenn ihr in die Kirche geht,
an dem Tresen steht.“

Früher hat mein Väterchen Leute umgebracht,
alle haben zugesehehn und dazu gelacht.
Heute sagen sie „Es war nichts bekannt! Hier, sein Sohn hat mitgemacht.
Schickt ihn weit fort und gleich in ein anderes Land,
denn er ist verbannt.“

Alle warten dass es wieder was zu lachen gibt,
ich mordend durch die Strassen rase weil man mich nicht liebt.
„Seht Euch vor der Bursche ist gewitzt, wie er seine Schultern schiebt,
dass nicht eines Tages Euch ein Messer blitzt,
er die Ohren schlitzt.

Man erwartet von mir viel Taten blutig wild,
doch der Natur verrücktes Spiel machte mich zahm und mild.
Blutet eine Katze vor mir aus, wird mir schlecht ich werde blass,
denn ich komme zu mein, und aller Graus
nicht auf meinen Vater raus

Leider liegt mir aber fern Blutrausch,Wut und Hass
Und so bleib ich stehts am selben Fleck,
lebe ohne rechtes Ziel.
Und ich bleibe was ich bin, nichts als ein Dreck,
und der Kinder Schreck.

Degenhart (aus dem Gedächtniss also nicht Haargenau Originalgetreu!)

Saturday, 9 February 2008

First GMO resistant pest

UA entomologists have published a report on their discovery of Bt-resistant bollworms in Mississippi and Arkansas.
By Mari N. Jensen, College of Agriculture and Life Sciences
February 7, 2008
A pest insect known as bollworm is the first to evolve resistance in the field to plants modified to produce an insecticide called Bt, according to a new research report by University of Arizona entomologists. Bt-resistant populations of bollworm, Helicoverpa zea, were found in more than a dozen crop fields in Mississippi and Arkansas between 2003 and 2006. "What we're seeing is evolution in action," said lead researcher Bruce Tabashnik, professor and head of the UA entomology department and an expert in insect resistance to insecticides. "This is the first documented case of field-evolved resistance to a Bt crop.
Bt crops are so named because they have been genetically altered to produce Bt toxins, which kill some insects. The toxins are produced in nature by the widespread bacterium Bacillus thuringiensis, hence the abbreviation Bt. The bollworm resistance to Bt cotton was discovered when a team of UA entomologists analyzed published data from monitoring studies of six major caterpillar pests of Bt crops in Australia, China, Spain and the U.S. The data documenting bollworm resistance were first collected seven years after Bt cotton was introduced in 1996. "Resistance is a decrease in pest susceptibility that can be measured over human experience," Tabashnik said. "When you use an insecticide to control a pest, some populations eventually evolve resistance."The researchers write in their report that Bt cotton and Bt corn have been grown on more than 162 million hectares (400 million acres) worldwide since 1996, "generating one of the largest selections for insect resistance ever known." Even so, the researchers found that most caterpillar pests of cotton and corn remained susceptible to Bt crops. "The resistance occurred in one particular pest in one part of the U.S.," Tabashnik said. "The other major pests attacking Bt crops have not evolved resistance. And even most bollworm populations have not evolved resistance." The field outcomes refute some experts' worst-case scenarios that predicted pests would become resistant to Bt crops in as few as three years, he said. "The only other case of field-evolved resistance to Bt toxins involves resistance to Bt sprays," Tabashnik said. He added that such sprays have been used for decades, but now represent a small proportion of the Bt used against crop pests. The bollworm is a major cotton pest in the southeastern U.S. and Texas, but not in Arizona. The major caterpillar pest of cotton in Arizona is a different species known as pink bollworm, Pectinophora gossypiella, which has remained susceptible to the Bt toxin in biotech cotton.
"Our research shows that in Arizona, Bt cotton reduces use of broad-spectrum insecticides and increases yield," said Carrière. Such insecticides kill both pest insects and beneficial insects. To delay resistance, non-Bt crops are planted near Bt crops to provide "refuges" for susceptible pests. Because resistant insects are rare, the only mates they are likely to encounter would be susceptible insects from the refuges. The hybrid offspring of such a mating generally would be susceptible to the toxin. In most pests, offspring are resistant to Bt toxins only if both parents are resistant.In bollworm, however, hybrid offspring produced by matings between susceptible and resistant moths are resistant. Such a dominant inheritance of resistance was predicted to make resistance evolve faster.The UA researchers found that bollworm resistance evolved fastest in the states with the lowest abundance of refuges. The field outcomes documented by the global monitoring data fit the predictions of the theory underlying the refuge strategy, Tabashnik said. Although first-generation biotech cotton contained only one Bt toxin, called Cry1Ac, a new variety contains both Cry1Ac and a second Bt toxin, Cry2Ab. The combination overcomes pests that are resistant to just one toxin. The next steps, Tabashnik said, include conducting research to understand inheritance of resistance to Cry2Ab and developing designer toxins to kill pests resistant to Cry1Ac.
Tabashnik and his colleagues' article, "Insect resistance to Bt crops: evidence versus theory," will be published in the February issue of Nature Biotechnology.
His co-authors are Aaron J. Gassmann, a former UA postdoctoral fellow and now an assistant professor at Iowa State University; David W. Crowder, a UA doctoral student; and Yves Carrière, a UA professor of entomology. Tabashnik and Carrière are members of the UA's BIO5 Institute.The U.S. Department of Agriculture funded the research.

Friday, 8 February 2008

Narcissus scaberulus

The picture of this endemic beauty has been robbed from the ICN website.

Thursday, 7 February 2008

Fotos de plantas

Uma planta para cada dia. Muito bonitas!

Portugal Agrícola 1980-2006

Nova publicação do INE disponível em
Um pequeno extrato:
"As Explorações Agrícolas
Entre 1989 e 2005:
- O número de explorações agrícolas reduziu-se para
cerca de metade (-46%), mas a dimensão média das
explorações aumentou de 6,7 para 11,4 hectares de
SAU (+70%);
- A dimensão económica média das explorações
agrícolas aumentou de 4 650 para 8 326 euros;
- Em 2005, apenas 7% dos produtores agrícolas
obtiveram o seu rendimento exclusivamente da
exploração agrícola (11% em 1989);
- Os produtores agrícolas com 65 e mais anos
aumentaram de 29% para 47%."

Wednesday, 6 February 2008

O apicultor de Orn

Chamar-lhe de apicultor é um pouco exagerado, traduzindo à letra chamar-se ia “o homem das abelhas”. Então é mais ou menos assim...

Vivia algures um velho gordo numa cabana isolada na margem da floresta. O homem tinha abelhas, tinha muitas abelhas. A cabana toda dele parecia uma colmeia enorme. Sempre estavam abelhas a sair e a entrar e a sussurar em volta da cabana. O homem das abelhas não tinha medo delas e vivia ali com elas numa certa harmonia. Como era de esperar, ele comia mel ao pequeno almoço, ao almoço e ao jantar. E mel com mel e mel.

Um dia passou um aprendiz de mago pela sua cabana, espreitou pela janela da porta e viu o velhote, sentado à mesa e a comer mel. Uma sensação estranha se apodorou dele. E, a partir de então, sempre que o aprendiz de mago nas suas viagens passava pelo caminho que passava pela cabana do homem das abelhas espreitou para dentro de casa dele e conversou um pouco com ele. O aprendiz de mago estava muito admirado como modo de vida do apicultor e disse-lhe: “Ó homem, eu julgo cá para mim que você foi encantado, que esta figura que tem hoje em dia é resultado de um encanto que algum bruxo mau lhe fez. Mas eu quero ajudá-lo. Você parta à procura da sua figura real, à procura do que teria sido se não tivesse sido encantado numa certa altura da sua vida. Depois, quando eu tiver a minha formação completa, farei tudo para lhe ajudar a voltar à sua vida incial.”

Dito isto o aprendiz de mago seguiu caminho e deixou o apicultor muito intrigado. “Mas o que terá eu sido antes de tomar esta figura por algum encanto?”. A partir de aí começou a imaginar o que poderia ter sido. Talvez uma princesa de vestido cor-de-rosa? Ou um padre? Estes pensamentos ocupavam-o cada vez mais até que ele decidiu, intrigado, de que tinha que ir à procura do que ele terá sido. Quer tenha sido bom, quer tenha sido mau, ele precisava de saber o que tinha sido antes de se ter tornado no homem das abelhas.

Sendo assim, ele preparou uns cestos-colmeia muito engenhosos que ele podia usar como mochila, deste modo andava sempre com um enchame de abelhas atrás e com mel suficiente para se alimentar na sua viagem. E um belo dia solarengo lá partiu à procura da sua verdadeira identidade.

À tarde ele já estava cansado de caminhar e sentou-se à beira de um belo jardim de um palácio onde um conde estava a celebrar o seu casamento. Ao lamber o mel o homem das abelhas observou o conde, todo bem vetsido, jovem e bonito. Começou a pensar para sí “Ai, sinto-me tão atraido a este conde. Será que eu fui um conde antes de ter sido encantado?”. Para escalrecer esta ideia ele entra no jardim para observar a cerimónia e o conde mais de perto. Tudo lhe pareceu muito interessante e ele ficou tão absorvido em olhar que de repente estava à beira do conde e a olhar para ele com grandes olhos. O conde assustou-se com o mau aspecto do homem e ralhou “o que está este velho a fazer aqui no meu casamento? Desapareca já daqui!” E para dar mais ênfase a essa ideia deu um pontapé ao homem das abelhas, e este caio para o meio de uma cebe. Lá no meio da cebe o homem das abelhas pensou cá para sí “Bem, eu nunca teria sido tão bruto com um pobre velhote. Claro está que eu nunca fui um jovem conde, nem nunca quis ser anda disso.”

O velho apicultor seguiu viagem e encountrou muitas situações bizarras e fascinantes, mas nunca uma criatura com que simpatizasse por completo. Até que um dia chegou a uma floresta onde tinha ouvido dizer que havia uma caverna enorme em que habitavam dragões e dinossáurios de vária ordem. “Nunca se pode ter a certeza que não se é na verdade um bicho asqueroso deste tipo. Para fazer a minha tarefa de procura da minha identidade bem feita não posso dar a volta a esse antro de criaturas infernais.” E assim foi caminhando em direcção à abertura da caverna. Perto da entrada encontrou um moço sonolento que dizia que queria também entrar na caverna, pois estava à procura de uma solução para o seu cansaço eterno, mas já não tinha forças para entrar sózinho.

Então seguiram os dois para a caverna e, a poucos metros dentro da caverna aproximou-se deles um gnomo asqueroso, pequenino, irrequieto e com ar maldoso. “O que desejais?” perguntou ele, e então o moço sonolento e o homem das abelhas explicaram o que vinham fazer. O gnomo maldoso achou muito bem. A primeira proposta dele para acordar o moço sonolento foi atirar-lhe com o enchame de abelhas que o apicultor trazia nas costas. Mas o moço sonolento recusou-se de participar numa terapia tão brusca. Então o gnomo mandou o apicultor dar uma volta pela caverna, pois achava muito provável que o homem das abelhas teria sido um dragão raivoso antes de ter sido encantado.

Entretanto o gnomo quis levar o moço sonolento para a caverna onde um dragão de 7 cabeças dormia há 44 anos sem se mexer, para ver se o aspecto terrível do animal acordasse o moço sonolento. De facto, quando o moço e o gnomo se aproximaram da entrada da caverna o dragão piscou um olho no seu sono profundo. O moço sonolento percebeu isso como uma ameaça e ficou convencido de que o gnomo o queria enganar, pelo que começou a espontapeá-lo e a correr atrás dele até à saída da caverna. Foi deste modo que a sua sonolência foi, em fim, curada.

O homem das abelhas passeava calmamente de uma caverna para outra, no meio dos corredores escuros subterrâneos e viu uma criatura monstruosa a seguir à outra, sem se conseguir identificar com nenhuma delas. De repente ouviu um choro agudo de bebé numa caverna próxima, precipitou-se a correr para lá para ver o que se passava. Encontrou um dragão enorme com um recém-nascido nas garras, pronto para o devorar. Num acto de coragem o homem das abelhas tirou a sua mochila-colmeia e atirou a com toda a força para a cabeça do dragão. As abelhas saíram enfurecidas e começaram a picar o dragão em todo o lado. O dragão na tentativa de se livrar das abelhas deixou cair o bebé, que o homem das abelhas rapidamente apanhou. O homem das abelhas fugiu com o bébé nas mãos a correr para sair da caverna, sempre com medo que o dragão os apanhasse.

Passado o perigo o homem das abelhas olhou com ternura para o bébé e decidiu que, antes de continuar a sua viagem, ia à procura da mãe do bébé ou de alguêm que o pudesse criar. Depois de umas horas de caminhada chegou a uma aldeia e ao atravessar a aldeia dá de caras com uma mulher que está a chorar. Quando ela vê o bébé fica encantada e diz que se trata do bébé dela que lhe foi roubado durante a manhã por um dragão horrível. O homem das abelhas conta-lhe tudo o que se passou e ela convida o para a sua casa para jantar. O homem das abelhas, quando se quer despedir, apercebe-se como sente uma atracção extremamente forte pelo bébé, pede para ficar uns dias e nesses dias fica cada vez mais convencido que ele, antes de ter sido o homem das abelhas, teria sido um bébé.

De alguma forma ele consegue chamar o mago e com esforços de vários magos eles conseguem transformar o homem das abelhas num bébé. A senhora aceita criar o bébé homem das abelhas, por gratidão de ele ter salvo o seu filho.

Muito anos passam e o mago entretanto é um velho sábio. Numa das suas viagens passa pela cabana do homem das abelhas e lembra-se desta história e como ele conseguiu ajudar a este homem desgraçado. Vê que estão ainda muitas abelhas a voar em volta da cabana e decide espreitar pela porta da janela para ver o estado em que tudo está. Quão admirado ficou ele, ao ver o velho homem das abelhas, sentado à mesa a comer um prato de mel.

Livro original de Frank R. Stockton, Maurice Sendak "The Bee-Man of Orn "

Tuesday, 5 February 2008

Complicações com subsídios agrícolas

Muita gente se queixa das burocracias, injustiças, atrasos, etc., associados à atribuição e pagamento dos subsídios agrícolas em Portugal. Eis uma história, contada e vivida por João Paulo Pedrosa, sobre um projecto de Agricultura biológica na Beira baixa:

Monday, 4 February 2008


Confirmo a correlação estabelecida por Ricardo Araujo Pereira de que "parece que o amor à mãe natureza anda, a maioria das vezes, de mãos dadas com o desprezo pela higiene pessoal". Adianto ainda que a correlação não é válida apenas em relação à higiene pessoal, mas também em relação a outros indicadores de higiene em geral. Como argumentava o outro "mais vale umas bactérias do que detergentes tóxicos". O que se contrapõe a este argumento, válido de facto, é que entretanto existe uma vasta gama de detergentes biológicos, não tóxicos e biodegradáveis, que permitem a um amante da natureza cheirar a rosas e musgo sem se expor a toxinas perigosas. Isto, claramente, atrai mais simpatizantes para a nobre causa da conservação da Natureza.
If you cannot dream, stay in bed.

Saturday, 2 February 2008

Friday, 1 February 2008

3º Colóquio Urgenci

3º Colóquio da Rede Internacional Urgenci – sobre relações de solidariedade entre produtores e consumidores locais (

O 3º Colóquio internacional da Rede Urgenci teve lugar de 27 a 30 de Janeiro de 2008 em Aubagne, no Sul da França. O objectivo é fomentar a cooperação entre pessoas envolvidos em projectos de economia solidária, principalmente do sector agrícola. Os projectos baseiam-se em trocas comerciais justas e directas entre produtores e consumidores. Na França os projectos deste tipo têm o nome de AMAP – associações para a manutenção da agricultura camponesa, nos países Anglófonos o termo CSA – Community Supported Agriculture - é usado. Na Bélgica estabeleceram-se “FoodTeams” e em Portugal os projectos “Reciproco”, ambos variações sobre o tema das relações solidárias e sustentáevis entre agricultores e consumidores.

O primeiro dia do encontro foi dedicado à visita a duas explorações agrícolas que trabalham directamente com consumidores no sistema AMAP. Na parte da manhã visitamos uma área agrícola que a Câmara Municipal de Aubagne cedeu a uma jovem que estava desempregada e que queria iniciar a actividade agrícola. Como a jovem não tinha capital inicial para investir, famílias que estavam interessadas em receber a sua produção emprestaram-lhe dinheiro e pagaram o equivalente a um ano de hortaliças em avanço. Assim a jovem pode comprar os poucos equipamentos necessários para começar a cultivar a terra e a produzir vegetais, na Primavera de 2007. Inicialmente juntaram-se 28 famílias que compraram em avanço cabazes de hortaliças que iam ser produzidas na exploração. A produção correu bem e actualmente ca de 60 famílias compram o cabaz semanal. 2 vezes por semana a jovem agricultora colhe os vegetais e coloca-os num espaço coberto na própria exploração. Os consumidores vêm com os seus cestos e levam as quantidades indicadas. Para a agricultora foi um pouco complicado saber as quantidades que ia precisar de cultivar para as necessidades dos consumidores aliados e agora está insatisfeita com a variedade de produtos que tem no inverno, de modo a que já está a fazer planos sobre o que semear no próximo verão para assegurar uma boa colheita no inverno de 2008. Os consumidores, com esta cooperação, têm a possibilidade de receber hortícolas biológicas, frescas, ao custo de produtos normais de supermercado, e com a mais valia de novas relações humanas e de estarem a criar um emprego na sua própria comunidade. Este caso é um exemplo de como um AMAP ou CSA pode funcionar.

Exploração agrícola em sistema AMAP, perto de Aubagne.

Da parte da tarde visitámos outra exploração que funciona com o mesmo sistema de venda directa, mas que já está estabelecida há mais de 5 anos. Foi interessante como o casal que cultiva essas terras explicou como mantinha a ligação com os consumidores através de um boletim informativo, encontros na exploração, etc. Explicaram que o “capital social” é criado à base da transparência. Os consumidores, ao conhecerem a situação financeira, as práticas produtivas e os problemas que surgem na exploração aprendem a confiar nos produtores. Essa confiança é a base da boa cooperação a longo prazo.

A visita às explorações também permitiu que os participantes do colóquio se conhecessem e trocassem ideias. Os participantes vinham de vários países, sobretudo França, Inglaterra, Estados Unidos, mas havia também alguns representantes de outros países, como Portugal, Malásia, Bélgica, Togo, Japão e Cuba. Os participantes eram agricultores, consumidores associados a agricultores, activistas ou animadores de projectos de alimentação local sustentável e alguns estudantes.
Havia vários jovens que tinham iniciado explorações agrícolas sózinhos, alugando terrenos ou investindo com o apoio de consumidores que pagavam em avanço e cediam empréstimos sem juros.

O segundo dia do encontro foi dedicado à apresentação das novidades da rede e dos vários projectos, desde o último encontro, em 2006 em Palmela. Representantes dos 15 países presentes apresentaram os seus projectos, explicando o seu funcionamento e as dificuldades que tinham encontrado, de acordo com a realidade sócio-cultural e económica dos seus países. Fez-se uma avaliação das forças e fraquezas do conceito AMAP/CSA e foi apresentada a ideia de organizar a Rede Urgenci de forma policêntrica, ou seja, 6 áreas temáticas propostas haviam de ser coordenadas a partir de 6 locais de acção distintos. No terceiro dia do colóquio estas 6 áreas foram apresentadas e discutidas, inicialmente em workshops e em seguida em plenário.

As 6 áreas em que a Rede Urgenci se propõe a trabalhar são:

1- Biodiversidade e Agroecologia – discutiu-se como os agricultres da Rede Urgenci podem contribuir para a preservação de cultivares e raças regionais. O Instituto Vavilov de S. Petersburgo está disposto a cooperar com a Rede, cedendo sementes de variedades raras para serem resproduzidas e usadas nas explorações da Rede. Aqui surgiu algum debate, pois houve quem defendesse que uma empresa deveria ser contratada para produzir as sementes, enquanto outros denfendiam que cada exploração da Rede Urgenci deveria ser repsonsável pela manutenção de uma variedade, cedendo sementes às restantes explorações. Concluiu-se que seria necessário, antes de mais, fazer um levantamento da agrobiodiversiade existente nas explroações da Rede Urgenci, de modo a definir que variedades haviam de ser intorduzidas a partir do banco de sementes parceiro.

2 – Acesso à terra – a especulação imobiliária e a pressão urbanística dificultam o acesso à terra a pessoas que precisam dela para asseurar a sua sbrevivência, nomeadamente através da produção agrícola. A terra está a ser acumulada cada vez mais nas mãos de uns poucos ricos, enquanto que a maioria da população não tem possibilidades financeiras de adquirir terras. No entanto, o acesso à terra é essêncial para assegurar a produção de alimentos, especialmente para os mais pobres. Vários projectos que possibilitaram o acesso à terra a agricultores sem capital foram apresentados e discutiu-se como a rede Urgenci poderia contribuir para facilitar o acesso à terra para pessoas que queiram iniciar a actividade agrícola.

3 – Integração de pessoas desfavorecidas – o sistema AMAP/CSA está baseada na solidariedade social e portanto é evidente que os beneficios da produção biológica e venda directa aos consumidores devia ser acessível a todos e não ser apenas uma opção para os mais ricos. Neste sentido vários projectos CSA escalonam a contribuição financeira que os consumidores têm a fazer para receber a sua porção de alimentos da exploração, de acordo com o seu rendimento. Assim, quem tem um ordenado maior tem que pagar mais, subsidiando desta forma a participação de pessoas economicamente desfavorecidas.

4 – Difusão do conceito e cooperação entre explorações – foi discutido como se poderá promover a ideia de relações directas entre produtores e consumidores, de modo a tornar a informação facilmente acessível, e não restrita aos previamente interessados, mas também a agricultores em situações dificéis que beneficiariam desta solução.

5 – Treino e instalação de novos agricultores – várias pessoas, sobretudo agricultores que estão envolvidos no treino, através de estágios na sua exploração, apresentaram as suas actividades. Foram apresentados alguns recursos documentais sobre a formação em agricultura biológica, tal como os manuais editados pela Universidade de Sta Cruz na Califórnia (disponíveis em Um sistema de formação de novos agricultores nos EUA funciona à base de 6 meses de trabalho em explorações agrícolas, com encontros mensais em que aspectos teóricos de agroecologia são ensinados. Foi proposto fazer-se uma base de dados de oportunidades de estágio e formação para novos agricultores sustentáveis a nível mundial. Também se falou em colaborar com escolas agrárias para promover a integração de formação em agricultura sustentável nos curriculos de cursos de agronomia.

6 – Aplicação do conceito fora da agricultura – na França existem já alguns projectos de venda directa de produção não agrícola para os consumidores. Foi apresentado um caso de um produtor de sabonetes e detergentes ecológicos que vende directamente aos consumidores. O objectivo seria aumentar o número de produtos ecológicos disponíveis, produzidos a nível regional e comercializados directamente.

A discussão das propostas de acção foi longa e complicada, formando-se alguns grupos de voluntários que eventualmente avançarão algumas das propostas de acção. Tornou-se claro como existem imensos pontos em que uma intervenção seria útil ou mesmo necessária, mas como constrangimentos financeiros limitam as possibilidades de acção. Também foi difícil chegar a acordos nas “negociações” porque muitos dos presentes estavam muito angustiados com a situação global da agricultura e não quiseram focar nas practicalidades da acção possível. Em vez disso levantaram questões polémicas como o Acordo sobre a Agricultura, o Regulamento da UE sobe Agricultura Biológica, os OGM, a política agrícola... Alguns não estavam seguros de que toda a plateia partilhava de facto estas angústias, pelo que repetidamente interviram no sentido de se expressar sobre temas que não estavam na ordem dos trabalhos.

O último dia estava dedicado ao debate político, pelo que vieram delegados de várias organizações internacionais para conhecer a ideia central dos projectos AMAP/CSA e se expressarem sobre estes. O objectivo foi fomentar o diálogo e saber se as autoridades estavam dispostas a colaborar com a Rede Urgenci.

Rio Durène, ao pé de uma das explorações visitadas.

Algumas frases e questões durante o encontro despertaram a minha atenção, cá vai uma série delas, a maioria delas de um agricultor biodinâmico de Thessaloniki na Grécia, chamado, como não podia deixar de ser, Dimitris:
“Que passos estão os decisores políticos a tomar para assegurar a viabilidade da agricultura face ao escassamento do petróleo?”
“As pessoas vão para os hipermercados porque pensam que aí podem encontrar produtos com uma relação valor/preço bom.” (mas estão enganados!)
“Vender uma pilha vazia é fraude. Porque é que vender alimentos produzidos convencionalmente não é considerado fraude também, visto que estes não contêm as energias vitais que o comprador espera?”
“O Regulamento da UE sobre agricultura biológica baseia-se apenas na regulamentação do comércio de produtos biológicos.”
“Tudo alimenta tudo.”
“O sistema imunitário da exploração agrícola é o solo. Se este está saudável também não existem doenças nas plantas.”
“O serviço dos agricultores não é produzir comida, é dar saúde.”

Martin Large contou a seguinte história:
Estavam uma vez 2 homens a discutir de quem era um pedaço de terreno. Um dizia: “o terreno é meu, desde o século XIX foi explorado pela minha família”. O outro dizia “Não, o terreno é meu, a minha tribo usou-o para pastoreio das vacas desde há tempos remotos, e foi só a legislação so séc XIX que nos tirou o direito de acesso a estas terras.” Uma senhora estava por acaso a ouvir a conversa e os homens dirigiram-se a ela, para ver se ela os ajudasse a resolver o conflito. A Senhora disse “bem, eu não sei, mas vou ver se a mãe Terra tem alguma coisa a dizer sobre o assunto”. A Senhora encostou o ouvido à terra e pôs-se a escutar. Depois de algum tempo levantou-se e os homens perguntaram “E então, o que é que ouviste?”. A Senhora respondeu “A mãe Terra diz que vocês os dois é que pertencem a ela.”